BCE e Fed seguem por caminhos distintos

Bancos centrais seguem em sentidos opostos


Notice: Undefined offset: 1 in /var/www/vhosts/jornaleconomico.pt/httpdocs/wp-includes/media.php on line 1031

Notice: Undefined offset: 2 in /var/www/vhosts/jornaleconomico.pt/httpdocs/wp-includes/media.php on line 1031

Notice: Undefined offset: 1 in /var/www/vhosts/jornaleconomico.pt/httpdocs/wp-includes/media.php on line 1031

Notice: Undefined offset: 2 in /var/www/vhosts/jornaleconomico.pt/httpdocs/wp-includes/media.php on line 1031

A brecha entre a provável trajetória das taxas de juros nos EUA e na Europa pode ser ampliada esta semana e agudizar as turbulências nos mercados de divisas que desde o início deste ano geraram uma apreciação de 12% do dólar face ao euro.

Espera-se que o Banco Central Europeu (BCE) deixe as taxas de juro da zona euro em território mais negativo após reunião do Conselho de Governo esta semana. Um dia depois, prevê-se que os dados sobre emprego referentes aos EUA em novembro confirmem a perspetiva de uma subida das taxas por parte da Reserva Federal em meados de dezembro, a primeira subida em nove anos.

O BCE, que obrigou as instituições a pagar para depositar o seu dinheiro no banco central desde junho de 2014, começaria a cobrar uma décima de ponto percentual adicional.

A expectativa é que a taxa de -0,3% ou -0,4% incremente o custo de guardar dinheiro no BCE e incentive os bancos a conceder mais empréstimos ao setor privado, o que implica mais riscos mas também injetaria maior dinamismo à flacidez da economia europeia. A medida também será encarada como atrativa aos ativos europeus em comparação com a de outras economias.

Os caminhos divergentes seguidos pela Fed e pelo BCE poderiam continuar a ser fortalecer o dólar frente ao euro, exercendo mais pressão sobre os exportadores norte-americanos e ajudando os europeus. A subida do dólar, que está próximo de um máximo de 12 anos, reflete as expectativas de um robusto crescimento norte-americano, complicando a meta da Fed de levar a inflação a um limiar de 2% anual.

OJE

Recomendadas

PSI abre sessão no ‘vermelho’ em manhã mista na Europa

A generalidade das praças europeias registam perdas esta manhã, com exceção do britânico FTSE, que sobe 0,22% para 7.537,99 pontos, e do italiano MIB, que avança 0,12% para 24.294,00 pontos.

Topo da Agenda: o que não pode perder nos mercados e na economia esta quarta-feira

A União Europeia deverá divulgar na quarta-feira dados concretos sobre a evolução do emprego no terceiro trimestre deste ano. O indicador é importante na definição da estratégia de política monetária daqui para a frente, já que historicamente sinaliza (ou não) um cenário de recessão – uma preocupação que tem estado na agenda dos bancos centrais.

Novabase suspende programa de recompra de ações

A tecnológica já tinha suspendido o programa em junho, tendo depois voltado a retomá-lo. Segundo informação publicada nessa altura, o programa estava previsto durar até 31 de dezembro de 2023.