BCE exige ao Santander um rácio de capital CET1 de 8,655%

Uma vez que o banco espanhol já tem os rácios de capital acima dos requisitos do BCE, o banco esclarece que os requisitos do BCE não implicam nenhuma limitação à distribuição de dividendos, à remuneração variável e ao pagamento de cupões aos detentores de títulos de dívida Additional Tier 1.

O Banco Santander, informou que o Banco Central Europeu (BCE) impôs como rácio de capital Common Equity Tier 1 (que na prática é constituído pelo valor subscrito em ações, os resultados de anos anteriores que o banco não distribuiu aos acionistas e o resultado líquido do exercício anterior) mínimo de 8,655% (phased-in), a nível consolidado, para o próximo ano. Isto depois de conhecidos os resultados do Processo de análise e avaliação pelo supervisor (SREP).

Este requisito compara com o rácio de CET1 de 12,18%, reportado pelo Santander a 30 de setembro de 2017.

Este requisito de CET1 de 8,655% inclui o requisito do Pilar 1 (4,5%); o requisito do Pilar 2 (1,5%); e a almofada de capital (1,875%); o requisito imposto pelo facto de ser considerada uma entidade financeira sistémica global (0,75%) e o requisito de uma almofada de capital anticíclico (0,03% de CET1).

Em termos individuais o BCE exige ao Santander que mantenha um rácio CET1 phased-in de pelo menos 7,875%. Este requisito compara com o rácio CET1 de 18,01%, reportado pelo Santander no fim de setembro.

Desta forma e uma vez tido em conta os requisitos de Pilar 1 de 1,5% de Additional Tier 1; e 2% de Tier 2, o rácio de capital total phased-in exigido é de no mínimo 12,155% a nível consolidado e de 11,375% a nível individual. O que compara com os rácios reportados de 14,89% e de 21,75%, respectivamente.

Em termos de regime fully loaded, o requisitos consolidados são de 9,53% de CET1 e 13,03% de capital total. Os rácios reportados em regime  fully loaded eram de 10,80% e 14,38%, respectivamente.

Uma vez que o banco espanhol já tem os rácios de capital acima dos requisitos do BCE, o banco esclarece que os requisitos do BCE não implicam nenhuma limitação à distribuição de dividendos, à remuneração variável e ao pagamento de cupões aos detentores de títulos de dívida Additional Tier 1.

Relacionadas

Fitch diz que acordo de Basileia IV é positivo para os bancos

Das alterações previstas que Basileia IV vai introduzir, aquela que parece ser a maior preocupação para os bancos é o aumento de requisitos de capital, especialmente para os grandes bancos.
Recomendadas

“Angola representa uma oportunidade para os nossos acionistas”, afirma CEO do Access Bank

“Angola representa uma oportunidade para os nossos acionistas participarem no que acreditamos que irá gerar um valor mais forte à medida que África vai emergindo”, explicou Herbert Wigwe, CEO da Access Holding Pics, numa entrevista exclusiva para a Forbes África Lusófona.

Montepio vende Finibanco Angola a grupo da Nigéria

O Acess Bank é uma entidade detida a 100% pela Access Holdings Plc (Access Corporation), um banco comercial que opera através de uma rede de mais de 700 balcões e pontos de atendimento, abrangendo 3 continentes, 17 mercados e 45 milhões de clientes, segundo o Montepio. Valor não foi divulgado.

Lucros do Banco de Fomento sobem 135% para 22,9 milhões de euros em 2021

“Este aumento explica-se, essencialmente, pelo crescimento do produto bancário que passou de 31,89 milhões de euros, em 2020 para 44,69 milhões de euros no ano em análise”, ou seja, subiu 40%.
Comentários