BCE mantém exigências de capital ao Santander Totta

O requisito ao nível do Pilar 2 do rácio de CET1 é de 1,5% estipulado pelo BCE como requisito mínimo para 2021. Igual ao que tinha sido estipulado para 2020.

Bernardo Cristina

O Banco Santander Totta anunciou em comunicado a decisão do Banco Central Europeu (BCE) sobre os requisitos mínimos prudenciais de capital, a serem cumpridos em base consolidada ao nível da Santander Totta SGPS, a partir de 1 de janeiro de 2021, baseada nos resultados do processo de análise e avaliação pelo supervisor (SREP).

O requisito ao nível do Pilar 2 do rácio de CET1 é de 1,5% estipulado pelo BCE como requisito mínimo para 2021. Igual ao que tinha sido estipulado para 2020.

Por seu lado, o Banco de Portugal comunicou a reserva adicional que é exigida à Santander Totta SGPS, na qualidade de “outra instituição de importância sistémica”.

“Da conjugação destas duas decisões resultam os seguintes requisitos mínimos de fundos próprios que deverão ser observados, a partir da referida data, em rácio determinado em função dos ativos ponderados pelo risco (RWA)”, diz o banco liderado por Pedro Castro e Almeida.

O rácio mínimo de capital CET1 é de 8,219% (phased-in) e 8,344% (fully implemented). Em setembro o banco tinha 21,33% e 20,36%, respetivamente. Dos quais o Pilar 2 é de 0,844%.

Em termos de rácio Tier 1 o mínimo para 2021 é de 10% (phased-in) e de 10,125% (fully implemented). E em termos de rácio total o rácio mínimo total estipulado para o Santander Totta é de 12,375% (phased-in)  e de  12,5% (fully implemented).

Os buffers incluem a reserva de conservação de capital (2,5%) e a reserva O-SII (0,375% em phased-in e 0,5% em fully loaded). O requisito de Pilar 2, definido no âmbito do SREP, é de 1,5%.

“A Santander Totta SGPS  cumpria plenamente, considerando os rácios de capital registados em 30 de setembro de 2020, os requisitos definidos, em termos de CET1 (Common Equity Tier 1), de Tier 1 e rácio total”, revela a instituição.

Recomendadas

“Angola representa uma oportunidade para os nossos acionistas”, afirma CEO do Access Bank

“Angola representa uma oportunidade para os nossos acionistas participarem no que acreditamos que irá gerar um valor mais forte à medida que África vai emergindo”, explicou Herbert Wigwe, CEO da Access Holding Pics, numa entrevista exclusiva para a Forbes África Lusófona.

Montepio vende Finibanco Angola a grupo da Nigéria

O Acess Bank é uma entidade detida a 100% pela Access Holdings Plc (Access Corporation), um banco comercial que opera através de uma rede de mais de 700 balcões e pontos de atendimento, abrangendo 3 continentes, 17 mercados e 45 milhões de clientes, segundo o Montepio. Valor não foi divulgado.

Lucros do Banco de Fomento sobem 135% para 22,9 milhões de euros em 2021

“Este aumento explica-se, essencialmente, pelo crescimento do produto bancário que passou de 31,89 milhões de euros, em 2020 para 44,69 milhões de euros no ano em análise”, ou seja, subiu 40%.
Comentários