“BCE prefere não alterar política monetária”, garante Constâncio

“É demasiado cedo para especular sobre medidas adicionais”, afirmou o vice-presidente do Banco Central Europeu (BCE), Vítor Constâncio.


Notice: Undefined offset: 1 in /var/www/vhosts/jornaleconomico.pt/httpdocs/wp-includes/media.php on line 1031

Notice: Undefined offset: 2 in /var/www/vhosts/jornaleconomico.pt/httpdocs/wp-includes/media.php on line 1031

Notice: Undefined offset: 1 in /var/www/vhosts/jornaleconomico.pt/httpdocs/wp-includes/media.php on line 1031

Notice: Undefined offset: 2 in /var/www/vhosts/jornaleconomico.pt/httpdocs/wp-includes/media.php on line 1031

O vice-presidente do Banco Central Europeu (BCE), Vítor Constâncio, afirmou que “preferiria” não ter que modificar novamente a política monetária no futuro próximo, e recordou ainda que as decisões da entidade “dependem” dos dados económicos e do objetivo de inflação.

“É demasiado cedo para especular sobre medidas adicionais”, afirmou o português quando questionado sobre as expectativas de mercado sobre os futuros passos do BCE numa entrevista concedida ao diário alemão ‘Börsen Zeitung’.

Neste sentido, o vice-presidente da entidade recordou que o seu objetivo é “manter o euro a salvo” e afirmou que o BCE “tem as ferramentas” para conseguir alcançar o objetivo de inflação, situado nos 2%, pelo que “se for necessário, irá utilizá-las”.

OJE

Recomendadas

JE Podcast: Ouça aqui as notícias mais importantes desta segunda-feira

Da economia à política, das empresas aos mercados, ouça aqui as principais notícias que marcam o dia informativo desta segunda-feira.

Turismo do Centro teme retração de mercados internacionais em 2023

“O que temos mais certo é o imprevisível”, afirmou Pedro Machado, que falava aos jornalistas em Coimbra, no âmbito das comemorações do Dia Mundial do Turismo, que se celebra na terça-feira.

Euro cai para novo mínimo de 20 anos depois de viragem à direita em Itália

“A União Europeia (UE) e a zona euro estão numa situação difícil: não só a Europa está a sofrer uma verdadeira crise energética, mas agora a direita em Itália está também a registar uma vitória histórica”, disse o economista-chefe do VP do Banco Thomas Gitzel, citado pela Efe, que acrescenta que o veredicto dos mercados financeiros sobre o assunto é claro.