BCE prepara programa de estímulo na Zona Euro

O Banco Central Europeu (BCE) deverá iniciar, nas próximas semanas, a compra de ativos de forma a injetar liquidez na banca, tal como anunciou o presidente do organismo, Mario Draghi, recentemente em Washington. O objetivo é que esta medida se reflita no financiamento de empresas e famílias, estimulando assim as economias dos países da zona […]

O Banco Central Europeu (BCE) deverá iniciar, nas próximas semanas, a compra de ativos de forma a injetar liquidez na banca, tal como anunciou o presidente do organismo, Mario Draghi, recentemente em Washington. O objetivo é que esta medida se reflita no financiamento de empresas e famílias, estimulando assim as economias dos países da zona euro e aliviando a ameaça da deflação.

 

Também o vice-presidente do BCE, Vítor Constâncio, assegurou que a instituição europeia está a entrar numa nova etapa. De acordo com o ex-governador do Banco de Portugal, “as medidas decididas nos últimos meses marcam uma nova fase na estratégia do BCE”.

 

No que diz respeito às taxas de juro da zona euro, recorde-se que se mantêm atualmente no mínimo histórico de 0,05%. A garantia foi deixada por Mário Draghi na última reunião do BCE, realizada em Nápoles, Itália.

Recomendadas

Mudança ‘online’ para todas as empresas no mercado regulado de gás já é possível

A Entidade Reguladora dos Serviços Energéticos (ERSE) anunciou hoje uma atualização ao guia para mudar para o mercado regulado de gás natural, com os ‘links’ para a contratação eletrónica de todos os comercializadores naquele mercado.

OE2023: Marcelo diz que previsões são melhores do que esperava mas não são “maquilhagem política”

O Presidente da República afirmou hoje que as previsões económicas do Governo para 2023 são melhores do que esperava, mas considerou que não são “um exercício de maquilhagem política”, embora admitindo que posam falhar.

Governo prevê PIB a crescer 1,3% e défice de 0,9% no próximo ano

O cenário macroeconómico da proposta de Orçamento do Estado para 2023, que está hoje a ser apresentado aos partidos, contempla prevê um abrandamento do crescimento económico de 6,5%, este ano, para 1,3% no próximo. Inflação mantém-se no patamar do OE2022 de 4% e dívida cai para 110,8%.