BCE prolonga programa compras, mas abranda ritmo a partir de abril

BCE reduz compras a partir de Abril para 60 mil milhões de euros, pelo menos até final de 2017

O Banco Central Europeu vai prolongar o programa de compra de ativos além de março de 2017, até pelo menos o final do próximo ano, mas vai reduzir o ritmo mensal de aquisições a partir de Abril para 60 mil milhões deu euros dos actuais 80 mil milhões de euros.

Em comunicado publicado após a reunião mensal de política monetária, o Conselho de Governadores adiantou que este prazo final de dezembro do próximo ano poderá ser ultrapassado “se for necessário e, em qualquer caso, até que o Conselho de Governadores considere um ajustamento sustentado no caminho da inflação, coerente com o seu objectivo de inflação”.

O BCE manteve as taxas de juros inalteradas, conforme esperado, em mínimo históricos, visando impulsionar a economia e a  inflação na zona euro.

As taxas de juros praticadas pelo BCE com os bancos da Zona Euro ficam assim em 0% para os empréstimos regulares à banca, e em -0,4% para os depósitos que as instituições façam em Frankfurt.

“O Conselho de Governadores continua prever que as taxas de juros principais do BCE permaneçam nos níveis actuais, ou mais baixos, por um período prolongado, e que ultrapassará o horizonte da compra de activos líquidos,” adiantou o BCE.

O foco está agora centrado na conferência de imprensa que o presidente do BCE vai realizar às 13h30,

Recomendadas

Cinco milhões para ações de emergência na serra da Estrela até final do ano

O ministro do Ambiente e da Ação Climática, Duarte Cordeiro, disse que o Fundo Ambiental disponibiliza, até ao final do ano, cerca de cinco milhões de euros para ações de emergência.

Costa Silva: Próximos anos não vão ser “cor-de-rosa” para a economia portuguesa

António Costa Silva, ministro da Economia, afirma que “não é com receitas do passado que vamos resolver os problemas”, defendendo que “para resolver os problemas de curto prazo, precisamos de uma visão de longo prazo”.

Dionísio Pestana pede reforma dos impostos como apoio às empresas

O presidente do Grupo Pestana afirma não precisar de ajudas diretas, perante o cenário de incerteza, mas pede ao Governo que avance com uma reforma nos impostos, apontando para a TSU.
Comentários