BCE aumenta ‘bazuca’ de emergência em 500 mil milhões e prolonga até março de 2022

O Banco Central Europeu ‘recalibrou’ os instrumentos da política monetária. O Programa de Compra de Emergência Pandémica passa a ter um ‘envelope’ de 1,85 biliões de euros e dura agora até março de 2022, numa extensão de nove meses. Empréstimos à banca também foram prolongados, enquanto o programa convencional de compra de ativos e as taxas de juro ficaram inalterados.

Forum BCE 2020 — Christine Lagarde
BCE

O Conselho de Governadores do Banco Central Europeu (BCE) anunciou esta quinta-feira o reforço do Programa de Compra de Emergência Pandémica (na sigla inglesa, PEPP) em 500 mil milhões de euros, para um total de 1,85 biliões de euros, numa decisão que era esperada pelos analistas.

O banco central prolongou o prazo do programa até março de 2022, quando a maioria dos analistas apontava para uma extensão do atual prazo de junho de 2021 para o final desse ano.

Naquela que foi a última reunião sobre política monetária de 2020, o BCE recarregou pela segunda vez este ano o principal programa de mitigação do impacto negativo da Covid-19 na economia da zona euro.  O PEPP foi lançado em março com um ‘envelope’ de 75o mil milhões de euros e depois reforçado com mais 600 mil milhões em junho.

“O Conselho de Governadores do BCE decidiu aumentar o envelope do programa de compra de emergência para pandemia (PEPP) em 500 mil milhões, para um total de 1,850 biliões. Também estendeu o horizonte de compras líquidas no âmbito do PEPP pelo menos até o final de março de 2022”, referiu, em comunicado. “Em qualquer caso, o Conselho do BCE conduzirá compras líquidas até julgar que a fase de crise do coronavírus terminou”.

O BCE decidiu ainda estender o reinvestimento dos pagamentos do principal de títulos com vencimento adquiridos no âmbito do PEPP até, pelo menos, o final de 2023. “Em qualquer caso, o desfazer da carteira do PEPP no futuro será administrada para evitar interferência com a política monetária apropriada”, explicou.

O banco central da zona euro prolongou as linhas de financiamento de longo prazo para a banca até junho de 2022. Trata-se da terceira série dos TLTRO, um instrumento de política monetária não convencional, através do qual a instituição concede empréstimos de longo prazo à banca, com o objetivo de incentivar a concessão de crédito às empresas e aos consumidores e aumentar a liquidez.

O BCE prolongou a terceira série do TLRO em 12 meses, até junho de 2022 e criou três operações de financiamento de longo prazo que serão realizadas entre junho e dezembro de 2021.

Com estas decisões, o BCE cumpriu com o compromisso assumido de ‘recalibrar’ os instrumentos que tem à disposição para fazer face à crise económica provocada pela pandemia de Covid-19, o que foi anunciado na reunião de outubro.

Nessa altura, a presidente do banco central, Christine Lagarde, anunciou que o Conselho de Governadores esperaria pelas projeções económicas de dezembro do staff do BCE — que serão hoje publicadas — para reavaliar o outlook económico e assim recalibrar os seus instrumentos, de forma apropriada, para responder à evolução da situação.

Christine Lagarde, presidente do BCE, tem salientado a flexibilidade que o programa oferece, pois tem de obedecer a menos limites em termos de jurisdições, maturidades e tipos de ativos do que o programa ‘convencional’ de compra de ativos o Asset Purchase Programme (APP).

“As compras líquidas no APP irão continuar a um ritmo de 20 mil milhões de euros por mês”, afirmou o BCE esta quinta-feira, reiteraranso que essas compras irão continuar enquanto forem necessárias para reforçar ao impacto acomodatício das taxas de juro diretoras, e só terminarão pouco antes do início do aumento principais taxas de juro.

No que diz respeito às taxas de juro, o BCE resolveu deixar tudo como está. A taxa de juro de juro aplicável às operações principais de refinanciamento e as taxas de juro aplicáveis à facilidade de cedência de liquidez e à facilidade permanente de depósito permanecem em 0%, 0,25% e -0,5%, respectivamente.

BCE prolonga empréstimos de longo prazo à banca até junho de 2022

[Atualizada às 13h00]

Relacionadas

BCE prolonga empréstimos de longo prazo à banca até junho de 2022

Processo de recalibragem dos instrumentos de política monetária para atacar a crise envolveu a extensão dos empréstimos de longo prazo para a banca até junho de 2022.

Lagarde deverá adicionar meio bilião de euros ao ‘calibre’ da bazuca anti-crise

O terreno tem vindo a ser preparado há semanas para não haver surpresas. A reunião do BCE deverá resultar em projeções económicas mais sombrias e num aumento e prolongar do Programa de Compra de Emergência Pandémica. O consenso dos analistas aponta para mais 500 mil milhões de euros, até final de 2021, para a arma que mantém as ‘yields’ baixas.

Compra de ativos pelo BCE em Portugal é de nível similar ao défice, conclui instituto alemão

“A análise mostra que para Itália, Grécia, Portugal e Alemanha, as compras líquidas são de magnitude semelhante ou até maior do que os respetivos défices públicos dos países”, refere o ZEW.
Recomendadas

Respostas Rápidas: como deve investir a pensar na reforma?

Com uma estrutura demográfica cada vez mais envelhecida, as dúvidas em torno da sustentabilidade da Segurança Social no médio-prazo reforçam o papel da poupança privada no rendimento dos portugueses em reforma, pelo que importa compreender os vários instrumentos financeiros ao seu dispor.

Respostas rápidas: é assim que pode ir para a reforma antes dos 66 anos e sete meses

Não tem 66 anos e sete meses, mas quer ir para a reforma? Há vários regimes que permitem a antecipação da pensão de velhice. O Jornal Económico explica, com base num guia do ComparaJá.

Preço médio das casas do Canadá vai custar perto de 500 mil euros até ao fim de 2023

Aumento das taxas de juro acima do previsto pelo Banco do Canadá estão a fazer com que os custos com a habitação consumam 60% das finanças das famílias, o valor mais elevado desde 1990.
Comentários