BCE: venda de 2% do BFA resolve problema do BPI da exposição a Angola

O BPI acaba de comunicar ao mercado que o BCE considera que a venda do controlo do banco angolano resolve problema da exposição a Angola do BPI.

Rafael Marchante/Reuters

O Banco Central Europeu (BCE) não se vai opôr à venda de 2% do Banco de Fomento Angola pelo BPI à Unitel, uma operação de alienação que deverá finalmente resolver o problema do banco português à exposição aos grandes riscos de Angola.

Em comunicado divulgado no site da CMVM, o BPI referiu que  em resultado da interacção havida com o BCE, este último comunicou que “não teria razões para objectar à desconsolidação do BFA”, desde que algumas condições forem cumpridas.

A ausência do parecer do BCE tinha sido o motivo alegado pelo CaixaBank para pedir a suspensão da Assembleia Geral do BPI de 23 de novembro, A reunião magna será retomada hoje às 14h30 na Casa da Música, no Porto.

O catalão CaixaBank é o maior accionista do BPI com cerca de 45%, e tem em curso um oferta para comprar o resto do capital do banco português.

As condições a que se refere o BCE são que após a venda dos 2% do BFA, o BPI que fica com 48,1% do banco angolano, e “que com a concretização da operação o Banco BPI deveria deixar de consolidar o BFA, seja para efeitos contabilísticos, seja para efeitos prudenciais, e, como consequência, eliminaria o problema da ultrapassagem do limite dos grandes riscos com que se encontra confrontado”. E que “o Banco BPI não exerce uma influência dominante sobre o BFA”.

“O Banco BPI não gere o BFA em conjunto com uma ou mais empresas não incluídas no perímetro de consolidação”, garantiu ao BCE o BPI.

O BPI assegura que tais condições serão cumpridas, pelo que diz que o problema será mesmo solucionado.

Mediante estas garantias o BCE confirmou que a venda de 2% do BFA retira o BPI da linha dos bancos que têm elevada exposição aos grandes riscos de Angola, que podia levar a pesadas multas do BCE.

Ontem foi comunicado que o BNA, banco central de Angola, autorizou a venda de 2% do BFA pelo BPI à Unitel de Isabel dos Santos. A empresária angolana é também a segunda maior accionista do BPI.

Relacionadas

BPI à espera dos dividendos do BFA

O BPI tem de receber 66 milhões de euros de dividendos do BFA de 2014 e 2015 e ainda 28 milhões de euros pela venda prevista dos 2% do BFA à Unitel. Somando aos 30 milhões de dólares que foram pagos na passada sexta-feira, totaliza 122,18 milhões de euros, o dinheiro que têm de vir de Angola para a conta do BPI.

Unitel pagou tranche de 30 milhões de dólares ao BPI

O Banco BPI informou agora o mercado que, em 9 de Dezembro de 2016, a Unitel pagou ao Banco BPI, junto do seu banco correspondente internacional para dólares norte-americanos, os 30 milhões de dólares que faltavam pagar pelos 49,9% do BFA vendidos em 2008.
Recomendadas

Lagarde põe os criptoativos na lista dos riscos para a estabilidade financeira

A presidente do Banco Central Europeu, alertou esta quinta-feira que “embora o impacto de tais episódios tenha sido contido até agora, o risco sistémico poderia facilmente surgir de crescentes interligações entre o ecossistema criptográfico e o sistema financeiro tradicional”. Deixou também alertas aos bancos.

Lagarde pede aos bancos para criarem “adequadas” provisões

A presidente do Banco Central Europeu (BCE), Christine Lagarde, pediu hoje aos bancos da zona do euro para criarem “provisões adequadas” e planearem a utilização dos seus capitais com “prudência” por causa da crise.

Revolut nomeia Elisabet Girvent para responsável de vendas em Espanha e Portugal

O seu objetivo passa por continuar a expandir os serviços da Revolut Business na região. A Revolut Business é o serviço bancário empresarial da Revolut. Esta solução encontra-se em funcionamento desde 2017 e foi concebida para atender às necessidades de start-ups, PME familiares e grandes empresas tecnológicas.
Comentários