BCP dispara à custa do BCE. Bolsas da Europa fecham no verde

O mercado nacional encerrou em alta, favorecido pela performance das praças europeias. O BCE marcou o dia e impulsionou a banca. A nível macroeconómico, o índice IFO na Alemanha confirmou a sua previsão de crescimento de 1,10% para a economia alemã, tendo revisto em alta a estimativa para 2021 de 1,40% para 1,50%.

A banca disparou na bolsa após a comunicação do BCE. O Banco Central Europeu disse que espera que as taxas de juro se mantenham nos níveis mínimos atuais ou até inferiores até que a inflação se aproxime de forma robusta dos 2%.

Na primeira reunião de taxas de juro liderada por Christine Lagarde, esta quinta-feira, foi anunciado que a taxa de juro de referência da zona euro mantêm-se nos 0% e o rtimo mensal do programa de compras de dívida pública e outros ativos, no valor de 20 mil milhões de euros por mês.

Por cá as ações do BCP fecharam a valorizar 3,28% para 0,1983 euros. O BCP beneficiou do comportamento do respetivo setor, que hoje foi impulsionado pelas declarações do Presidente do Conselho de Supervisão do BCE.

Segundo a análise da Mtrader (BCP), “o setor da Banca europeia (+2,3%) mostrou-se muito motivado após o discurso de Lagarde, uma vez que a responsável referiu que a economia terá estabilizado e até elevou as projeções económicas para 2019. Quem aproveitou este ambiente foi o BCP, que disparou mais de 3% e liderou os ganhos no PSI20”.

A Galp (+1,23% para 14,450 euros), a Altri (+1,65% para 5,845 euros) e a NOS (+1,57% para 5,06 euros, foram outras três ações a registar ganhos consideráveis.

A Ibersol disparou +2,90% e a Sonae Capital também (+2,22%).

A EDP e a EDP Renováveis fecharam  em sentidos opostos (com a EDP a cair 0,24% e a EDPR a subir 0,20%), no dia em que foi noticiado que o Banco Europeu de Investimento (BEI) vai conceder 45 milhões à Eólica da Linha, integralmente detida pela EDP Renováveis, para a construção de três parques eólicos em Portugal.

A outra ação em queda no PSI-20 foi a dos CTT que perdeu 0,24% para 3,276 euros.

A proximidade de acordo EUA China deu um ânimo adicional aos mercados, diz o analista do BCP, Ramiro Loureiro.

As praças europeias fecham em alta, depois do presidente Donald Trump afirmar que o acordo entre EUA e China está perto de acontecer.  Os investidores esperam agora pelo resultado das eleições do Reino Unido e pelo comunicado de sábado à noite apelidado de “eleventh hour” onde se prevê que seja comunicado o acordo fase 1 entre os dois países, acrescenta o analista da Mtrader.

O EuroStoxx 50 subiu 0,51% para 3.706,35 pontos.

Na área empresarial destaque vai para a Tullow Oil (+15,19%), que continua a recuperar após o tombo superior a 70% a 9 de dezembro, tendo ganho mais de 50% nas últimas três sessões, acrescenta a nota da Mtrader.

O FTSE 100 subiu 0,79% para 7.273,47 pontos; o CAC avançou 0,40% para 5.884,26 pontos; o Dax ganhou 0,57% para 13.221,6 pontos; o FTSE MIB disparou 1,02% para 23.390,9 pontos e o IBEX valorizou 0,81% para 9.468,5 pontos.

O petróelo está a disparar também com o Brent em Londres a ganhar 1,19% para 64,48 dólares, numa altura em que o crude West Texas disparou 1,14% para 59,43 pontos.

No mercado de dívida soberana, a Alemanha tem os juros a agravarem no dia 5,2 pontos base para -0,269% no dia em que o índice IFO na Alemanha confirmou a sua previsão de crescimento de 1,10% para a economia alemã, tendo revisto em alta a estimativa para 2021 de 1,40% para 1,50%.

A dívida portuguesa também sobe 4,5 pontos base para 0,402% e a dívida espanhola agrava 3,7 pontos base para 0,45%. A dívida italiana segue o mesmo caminho e sobe 2,9 pontos base para 1,233%.

O euro cai 0,14% para 1,1114 dólares.

 

Relacionadas

Lagarde: “Não sou nem um falcão, nem uma pomba. A minha ambição é ser uma coruja”

A nova presidente do Banco Central Europeu, que diz ter o seu “próprio estilo”, não quer ser comparada com os anteriores presidentes da instituição. “Irei ser eu própria e por isso diferente”, garantiu.

BCE corta ligeiramente projecção de crescimento económico para 1,1% no próximo ano

No entanto, o banco central está ligeiramente mais otimista sobre a expansão do PIB dos países da moeda única este ano, projectando um crescimento de 1,2% (mais uma décima do que em setembro).

Na primeira reunião de Lagarde, BCE mantém as taxas de juro inalteradas

O Banco Central Europeu manteve a taxa de juro aplicável às operações principais de refinanciamento e as taxas de juro aplicáveis à facilidade permanente de cedência de liquidez e à facilidade permanente de depósito inalteradas em 0%, 0,25% e −0,50%.
Recomendadas

Luta da Fed contra a inflação atinge Wall Street no fecho da sessão

De resto, o organismo liderado por Jerome Powell deu conta na semana passada da possibilidade de as taxas de juro continuarem em alta até 2023 fez com que os três principais índices tivessem caído na última semana entre 4% e 5%.

Banco de Inglaterra anuncia cenário para “testes de stress” com libra em queda

O Banco de Inglaterra divulgou hoje o cenário para testar a resistência dos grandes bancos do Reino Unido, quando o mercado obrigacionista britânico e a libra estão abalados pelas medidas orçamentais anunciadas pelo novo Governo.

Bolsa de Lisboa entre as que mais caíram. EDP Renováveis lidera perdas

O BCE e a OCDE penalizaram os mercados. “O italiano Footsie MIB foi a exceção após a vitória maioritária de Giorgia Meloni do partido de extrema-direita para o cargo de primeira-ministra, nas eleições realizadas ontem”, realçou o analista do BCP.
Comentários