BCP entregou 1,16 milhões de euros em ações aos administradores executivos e diretores

Miguel Maya recebeu 1.218.162 ações do BCP, o que, tendo em conta o valor das ações a 24 de junho, de 0,1775 euros, perfaz um total de 216,2 mil euros de remuneração variável atribuída ao CEO. Miguel Bragança, CFO e vice-presidente do banco, recebeu em ações do BCP, a título de remuneração variável, 962.486 ações equivalente a 171 mil euros. O outro vice-presidente, João Nuno Palma, recebeu 937.685 ações, ou 166,5 mil euros.

Cristina Bernardo

O BCP anunciou ao mercado que entregou 9,14 milhões de ações aos administradores executivos e a outros dirigentes e colaboradores do grupo. Estas ações representam 0,06% do capital do banco. Do total das ações atribuídas, cerca de 6,6 milhões foram distribuídas à Comissão Executiva e outros dirigentes a título de remuneração variável. O valor unitário das ações distribuídas foi de 0,1775 euros, pelo que o valor das ações distribuídas à Comissão Executiva do BCP foi de 1,165 milhões de euros.

Miguel Maya recebeu 1.218.162 ações, o que, tendo em conta o valor das ações a 24 de junho, de 0,1775 euros, perfaz um total de 216,2 mil euros de remuneração variável atribuída ao CEO. Miguel Bragança, CFO e vice-presidente do banco, recebeu em ações do BCP, a título de remuneração variável, 962.486 ações equivalente a 171 mil euros.

O outro vice-presidente, João Nuno Palma, recebeu 937.685 ações, ou 166,5 mil euros. Já o administrador Rui Teixeira recebeu 831.195 ações do banco, equivalente a 147,5 mil euros. Depois José Miguel Pessanha recebeu 843.323 ações ou 149,7 mil euros. Finalmente da comissão executiva, Maria José Campos recebeu 1.157.598 ações equivalente a 205,5 mil euros.

O comunicado do BCP no site da Comissão de Mercado de Valores Mobiliários detalha as ações distribuídas a onze diretores do banco.

Em comunicado à CMVM, “o Banco Comercial Português informa que, no passado dia 25 de junho, procedeu à entrega de 9.142.147 ações aos Administradores Executivos, Dirigentes e Colaboradores do Grupo BCP, adquiridas no âmbito do Regulamento sobre Remuneração Variável e considerando o regime fiscal específico de cada um dos beneficiários. As ações ordinárias, escriturais e nominativas, sem valor nominal adquiridas representam aproximadamente 0,06% da totalidade das ações representativas do capital social do banco”.

O BCP adianta que “do total de ações entregues pelo banco aos colaboradores, foram atribuídas 6.565.736 ações do aos Administradores Executivos e Dirigentes, relativas à remuneração variável respeitante ao exercício de 2021, ao primeiro ano de diferimento da remuneração variável do exercício de 2020, ao segundo ano de diferimento da remuneração variável do exercício de 2019 e ao terceiro ano de diferimento da remuneração variável do ano de 2018, bem como à remuneração variável de longo prazo dos Administradores Executivos devida pelo mandato que terminou em 2021”.

 

Recomendadas

Banco suíço UBS investe em unicórnio de inteligência artificial

O financiamento à norte-americana BigPanda ocorreu através da unidade de inovação e empreendedorismo UBS Next, que tem 200 milhões para startups tecnológicas e fintechs.

Fitch melhora perspetiva de evolução do Banco Angolano de Investimentos

A agência de notação financeira Fitch Ratings informou que alterou a avaliação do BAI de “Estável” para “Positiva”, ao mesmo tempo que estabeleceu a avaliação da dívida de longo prazo em ‘B-‘”, lê-se no comunicado hoje divulgado em Luanda, que surge depois de, a 15 de julho, a Fitch ter melhorado a perspetiva de evolução do ‘rating’ de Angola.

Banco central angolano suspende Finibanco do mercado cambial após detetar infrações

A medida cautelar de suspensão de participação no mercado cambial, por um período de 45 dias, pretende “assegurar os direitos dos depositantes e a tutela dos investidores”, explicou o banco central de Angola.
Comentários