BCP lança oferta de troca sobre a emissão de 300 milhões que vence em 2027

O BCP decidiu não fazer o reembolso antecipado da dívida emitida em 2017 no valor de 300 milhões de euros e cujo o exercício da opção de reembolso antecipado vencia agora. Optou por adquirir essa dívida através da entrega de novos títulos que vai emitir.

Cristina Bernardo

O BCP decidiu não fazer o reembolso antecipado da dívida emitida em 2017 no valor de 300 milhões de euros e cujo o exercício da opção de reembolso antecipado vencia agora. Optou por adquirir essa dívida através da entrega de novos títulos que vai emitir.

O banco não avança com detalhes da nova emissão de títulos de dívida que irão dar em troca destas obrigações, pois remete para o comunicado de anúncio da oferta de troca que estará disponível (às pessoas e entidades a quem a oferta é dirigida) no site da Euronext Dublin.

Recorde-se que em dezembro de 2017, o BCP fez uma emissão, no montante de 300 milhões de euros, com um prazo de dez anos, com opção de reembolso antecipado pelo banco no final do quinto ano, e uma taxa de juro de 4,5%, ao ano, durante os primeiros cinco anos (correspondente a um spread de 4,267% [426 pontos base] sobre a taxa midswap de cinco anos, o qual, para a fixação da taxa de juro para os remanescentes cinco anos, se aplicará sobre a taxa midswap em vigor no início desse período. Ora a condições do mercado levaram o BCP a optar por uma oferta de troca sobre a sua emissão Tier 2 com maturidade em dezembro de 2027.

Em comunicado o banco liderado por Miguel Maya diz que tomou “a decisão de não exercer a opção de reembolso antecipado da sua emissão 300.000.000 euros [300 milhões de euros] a 4,50% T2 – Subordinated Fixed Rate Reset Notes due December 2027 (ISIN: PTBCPWOM0034) na única data prevista para tal opção (7 de dezembro de 2022)”.

Como tal e de acordo com as condições finais, , diz o BCP, “o cupão será redefinido para a soma da taxa Mid-Swap vigente em 5 dezembro de 2022 e a margem inicial de 4,267% ao ano”.

A decisão de não reembolsar antecipadamente as notes “foi tomada após a ponderação de vários fatores, incluindo as atuais e incomuns condições de mercado, bem como o reconhecimento da emissão para Tier 2 capital e MREL”, refere o BCP.

“O banco avaliará e decidirá se exerce ou não opções de reembolso antecipado futuras de outros instrumentos caso a caso”, revela o BCP que lembra que reportou, por referência a 30 de setembro de 2022 rácios CET1 e Capital Total (consolidados e fully loaded) de, respetivamente, 11,4% e 15,1%.

Face à decisão de não exercer a opção de reembolso antecipado das notes, o BCP anuncia igualmente o lançamento de uma oferta de troca oferecendo aos atuais titulares desses títulos “a opção e oportunidade de as trocar por novas euro denominated 10,25 non call 5,25 T2 Notes”.

A oferta de troca não é dirigida a norte-americanos, “nem a quaisquer pessoas ou entidades nos Estados Unidos da América ou em qualquer outra jurisdição em que a oferta, ou distribuição de documentação relacionada com a oferta, não seja permitida”.

O BCP não avançou com detalhes da nova emissão que irão dar em troca destas obrigações, pois remete para o comunicado de anúncio da oferta de troca que estará disponível (às pessoas e entidades a quem a oferta é dirigida) no site da Euronext Dublin.

Recomendadas

Saídas de capital do Credit Suisse quase estancadas e já se nota regresso de depositantes de elevado património

O banco deverá ter perdido cerca de 10% dos fundos depositados na operação de gestão de ativos, devido a desconfianças dos clientes relativamente à solvabilidade da instituição.

“Falar Direito”. “Renegociação? Medida deveria abranger outro tipo de créditos mais onerosos”

Na última edição do programa da plataforma multimédia JE TV, advogado Francisco Barona, sócio do departamento financeiro e governance da Sérvulo, considerou que o diploma referente à renegociação do crédito à habitação deveria ser mais abrangente, tendo em conta a contração de outros créditos mais onerosos.

Juro médio dos novos depósitos de particulares dispara em outubro para máximo de cinco anos

Segundo os dados divulgados hoje pelo Banco de Portugal (BdP), “em outubro o montante de novos depósitos a prazo de particulares foi de 4.726 milhões de euros, remunerados a uma taxa de juro média de 0,24%”.
Comentários