PremiumBCP lidera em volume de ativos por impostos diferidos protegidos pelo Estado

Perduram no balanço dos bancos 3,8 mil milhões de euros de ativos por impostos diferidos elegíveis para capital por serem protegidos pelo Estado ao abrigo do regime especial. O BCP tem 2 mil milhões.

Existem no balanço dos bancos portugueses 3,8 mil milhões de euros de ativos por impostos diferidos que estão protegidos pelo compromisso de o Estado os converter em créditos fiscais em caso de prejuízo do banco ou liquidação. Só o BCP tem quase 2.000 milhões de euros desses Ativos por Impostos Diferidos (DTA – Deferred Tax Assets) elegíveis para capital, segundo o preâmbulo do projeto de lei que o Bloco de Esquerda tentou aprovar, e que previa a criação de uma prestação patrimonial sobre os DTA abrangidos pelo REAID (regime especial aplicável aos ativos por impostos diferidos).

Segundo o relatório e contas do BCP, o banco tinha 1,8 mil milhões de DTA elegíveis em 2018. No entanto, como esses ativos por impostos diferidos só têm de ser convertidos em créditos fiscais se o banco registar prejuízos nas contas individuais, ou se o banco for para liquidação, e como o BCP nunca teve prejuízos, a nível individual, desde 2015 (passou de 684,4 milhões de prejuízos em 2014 para um lucro individual de 226 milhões em 2015) não está abrangido pela obrigatoriedade de conversão desses DTA em créditos tributários.

Conteúdo reservado a assinantes. Para ler a versão completa, aceda aqui ao JE Leitor.

Relacionadas

PremiumFundo de Resolução terá de ceder ao Estado parte dos 25% que detém no Novo Banco

Venda do Novo Banco à Lone Star estipula que entrada do Estado no capital por força do regime especial dos DTA só dilui o Fundo de Resolução.
Recomendadas

BPI financia tecnologia que promove autonomia de pessoas com paralisia cerebral

App, acessível por smartphone, tablet ou computador, permite aos residentes emitir um pedido de assistência que assume a forma de alerta enviado aos colaboradores da instituição. Em 2022 foram lançados 4.590 pedidos de assistência.

Premium“Crédito Agrícola tem de saber manter a sua identidade”

Papel da banca cooperativa é analisado em livro dos professores universitários Luís Reto, Paulo Bento e Nuno Crespo, a pedido do Crédito Agrícola.

CGD aumenta proposta salarial para 3,5%, mas sindicatos querem mais

O banco estatal também aceitou aumentar o valor das propostas referentes a alguns subsídios, como o de natalidade e o de trabalhador-estudante, e o plafond do crédito à habitação, dizem MAIS, SBC e SBN. Mas sindicatos pedem mais.
Comentários