BCP, Pharol e Altri sustentam PSI 20 na abertura da sessão

PSI 20 soma 0,15%, para 4.709,33 pontos. O preço do barril de petróleo Brent abriu em alta no mercado de futuros de Londres, a valer 56,60 dólares, mais 0,60% do que no fecho da sessão anterior.

Benoit Tessier / Reuters

O principal índice bolsista português, PSI 20, soma 0,15%, para 4.709,33 pontos, em linha com o sentimento nas principais praças europeias, esta quarta-feira. Em Lisboa, as empresas cotadas BCP (1,20%), Pharol (1,23%) e Altri (1,09%) sustentam a bolsa portuguesa, que está em terreno positivo.

“Abertura no ‘verde’ para as bolsas europeias. Boas notícias vindas de Itália, com a União Europeia a aprovar o novo Orçamento para 2019 por parte do Governo italiano. A queda dos juros soberanos deve suportar a banca. Outra nota para o Retalho, depois da Ceconomy, maior retalhista de produtos eletrónicos na Europa, alertar para a queda nos resultados e ter anunciado que não irá pagar dividendos”, explica Ramiro Loureiro, trader do Millennium bcp.

No início da sessão, também as energéticas EDP (0,75%) e EDP Renováveis (0,26) se destacam, um dia após uma audição parlamentar ao presidente executivo da EDP Renováveis, João Manso Neto, na sequência de alegadas ligações incompatíveis entre a empresa e o antigo ministro da Economia, Manuel Pinho.

João Manso Neto, presidente executivo da EDP Renováveis, garantiu que “não foi a EDP que meteu” o antigo ministro da Economia Manuel Pinho na Universidade de Columbia, Nova Iorque. Em causa está o facto de Pinho ter sido convidado para dar aulas na referida universidade, após ter saído do Governo, num seminário patrocinado pela EDP.

No decurso da audição a Manso Neto na comissão parlamentar de inquérito às rendas excessivas no setor elétrico, na terça-feira, na Assembleia da República, o deputado Jorge Costa, do Bloco de Esquerda, questionou o gestor da EDP sobre quem é que convidou Pinho para dar aulas na Universidade de Columbia. “Não foi a EDP que meteu o doutor Manuel Pinho” no seminário que a empresa patrocinou na Universidade de Columbia, respondeu Manso Neto. “O doutor Manuel Pinho foi indicado pela universidade”, garantiu.

Já a negociar em terreno negativo, destacam-se os CTT, Sonae Capital e Galp Energia. De salientar também a queda de 0,36%, para 1,64 euros, da Mota-Engil, após ter sido noticiado que, depois de a construtora ter vendido, há mais de dois anos, por 60 milhões de euros, os seus 50,06% no grupo Indaqua, a mesma empresa terá alienado os 55% que detinha no capital da angolana Vista Water.

O preço do barril de petróleo Brent, para entrega em fevereiro, abriu em alta no mercado de futuros de Londres, a valer 56,60 dólares, mais 0,60% do que no fecho da sessão anterior. Na terça-feira, o preço do barril encerrou em baixa de 5,61%, para os 56,26 dólares. Com Lusa

Notícia atualizada às 8h47

[Dados das 8h07]

Relacionadas

Volatilidade leva Wall Street a encerrar ‘flat’. Petróleo derrapa para mínimos de 2018

Os investidores esperam pelo desfecho da reunião da Reserva Federal norte-americana, que deverá subir as taxas de juro para 2,5%. Trump discorda. Nas matérias-primas, o preço do petróleo desvalorizou pelo terceiro dia consecutivo e já perdeu 40% face aos máximos de outubro.

Lisboa acompanha praças europeias em queda

As perdas ligeiras da bolsa nacional foram atenuadas pelos ganhos das ações da Mota-Engil (+3,64%), mas também das papeleiras, com a Navigator a subir 2,1%.
Recomendadas

OPEP+ deverá anunciar corte na produção de petróleo na próxima reunião

A Organização dos Países Exportadores de Petróleo e os seus aliados está a considerar um corte na produção de petróleo de mais de um milhão de barris por dia na quarta-feira, naquela que será a primeira reunião presencial desde o início da pandemia.

Cotação do barril Brent para entrega em novembro baixa para 87,96 dólares

A cotação do barril de petróleo Brent para entrega em novembro terminou esta sexta-feira no mercado de futuros de Londres em baixa de 0,73%, para os 87,96 dólares.

Wall Street encerra sessão com principais índices a perder mais de 1,50%

No momento de fecho o Dow Jones recua 1,71%para 28.725,84 pontos, o S&P 500 cede 1,51% para 3.585,40 pontos e o tecnológico Nasdaq desvaloriza 1,51% para 10.575,62 pontos. 
Comentários