BCP volta a ter prejuízos na Polónia por causa de 108 milhões de provisões para os créditos em francos suíços

O Millennium Bank, banco polaco detido maioritariamente (50,1%) pelo BCP, registou prejuízos de 122,3 milhões de zlótis (26,4 milhões de euros) no primeiro trimestre. Os resultados foram impactados por provisões e outros custos relacionados com a carteira de créditos hipotecários em francos suíços.

O Bank Millennium, com sede em Varsóvia, na Polónia, detido pelo BCP em 50,1% (consolida nas suas contas pelo método integral), divulgou hoje resultados  líquidos negativos no primeiro trimestre do ano de -122,3 milhões de zlótis (-26,4 milhões de euros).

O resultado foi, substancialmente, influenciado por provisões relacionadas com riscos legais associados à carteira de créditos hipotecários concedidos em moeda estrangeira (francos suíços) no montante total de 499,2 milhões de zlótis (107,8 milhões de euros), dos quais 451,2 milhões de zlótis (97,4 milhões de euros) atribuíveis à carteira de créditos hipotecários concedidos pelo Bank Millennium e 48 milhões de zlótis (10,4 milhões de euros) relacionadas com a carteira do Euro Bank.

O nível de provisões acumuladas representa assim 30,3% do valor da carteira de créditos
hipotecários em francos suíços, que o banco concedeu até 2008 e que até hoje gera litigância.

As provisões refletem a continuação da tendência negativa nas decisões judiciais na Poĺónia, a entrada de novos processos judiciais e as alterações da metodologia de avaliação de risco daí resultantes.

“Excluindo itens específicos, ou seja, as provisões relacionadas com riscos legais associados à carteira de créditos hipotecários em francos suíços, custos associados aos acordos estabelecidos com clientes detentores de créditos em francos  suíços e outros encargos legais, e com distribuição linear da contribuição para Fundo de Resolução do Setor Bancário (BFG), durante o primeiro trimestre de 2022, o resultado líquido cifrou-se em 485,3 milhões de zlótis (104,8 milhões de euros), representando um crescimento em base comparável de 115,3% e de 52,2% relativamente ao trimestre anterior”, diz a instituição. O ROE ajustado a esta correção é de 29,7%, sem esse ajuste é negativo em 7,6%.

O rácio cost/income que mede a eficiência é de 41.9% e rácio cost/income ajustado é de 35,5%.

O Millennium Bank viu os proveitos operacionais aumentaram 33,8%, em termos homólogos e 25,7% no trimestre. A margem financeira aumentou 54,4%, em termos homólogos e 25,3% no trimestre, refletindo o impacto do aumento das taxas de juro. Já as comissões aumentaram 7,8%, em termos homólogos e 2,7% face ao trimestre anterior.

Os custos operacionais aumentaram 13,8%, em termos homólogos principalmente devido ao aumento da contribuição para o Fundo de Resolução do Setor Bancário (BFG) que aumentou 61,6% em relação ao período homólogo. Não considerando a contribuição para o fundo de resolução os custos totaud do banco polaco aumentaram 7% face ao período homólogo e registaram uma redução de 3,9% relativamente ao quarto trimestre de 2021.

O BCP destaca a “elevada qualidade dos ativos e liquidez” do Millennium Bank. O rácio de crédito com imparidade (Stage 3) fixou-se em 4,4% o que compara com 4,9% em março de 2021. por sua vez o custo do risco é de 40 p.b, o que compara com 39 p.b. no 4° trimestre de 2021 e em março de 2021.

O rácio de loans-to-deposits  (rácio de alavancagem ou de transformação de depósitos em crédito) está em 80,9%, o que compara com 84,6% em março de 2021.

Os rácios de capital total e Tier 1 do grupo no trimestre é dem 16,0% e 12,9%, respetivamente, ambos acima dos requisitos regulamentares (13,5% e 10,8%, respetivamente).

No Balanço o banco polaco destaca que ao nível dos particulares regista 2,74 milhões de clientes ativos, o que traduz um aumento de 45 mil no trimestre e de 128 mil no ano.

O crescimento  dos depósitos foi de 10,3%, em termos homólogos, e o crescimento no crédito a particulares foi de 6%, (16%, excluindo crédito hipotecário concedido em moeda estrangeira).

No primeiro trimestre de 2022 a nova produção de crédito hipotecário cifrou-se em 2,0 mil milhões de zlótis (0,4 mil milhões de euros), uma redução de 29% relativamente ao trimestre anterior e de 7% em termos homólogos.

A nova produção de cash loans foi de 1,1 mil milhões de zlótis (0,2 mil milhões de euros), ou seja, houve uma redução de 12% em termos homólogos.

O banco tinha uma quota de mercado de 10,9% na nova produção de crédito hipotecário e de 9,3% na nova produção de cash loans em março de 2022.

Nas empresas, o crescimento foi de 38% nos depósitos, em termos homólogos. Já o crédito a empresas teve um aumento de 4%, relativamente ao mesmo período do ano passado.

O banco destaca o crescimento de 8% do volume de negócio de leasing, em termos homólogos.

 

 

Recomendadas

Santander Totta com aumento de capital de 135 milhões totalmente realizado

O Banco liderado por Pedro Castro e Almeida concluiu o aumento de capital que tinha sido aprovado a 4 de maio.

Bancos globalmente sistémicos com melhor performance dos resultados no primeiro trimestre

O Goldman Sachs fez uma análise aos resultados dos bancos no primeiro trimestre comparando, por um lado, os globalmente sistémicos dos outros e, por outro, os bancos da zona euro e de fora do euro. Em termos de rentabilidade o ROTE caiu 1,4 pp nos G-SIBs e subiu 0,5 pp nos outros bancos. Sendo nos G-SIBs em média de 7,7% e nos bancos não sistémicos, em média, de 10,3%.

Crédito Agrícola com lucros a caírem 51% para 37,5 milhões no primeiro trimestre

Esta redução de 50,7%, segundo o grupo, “é influenciada pelos resultados, não recorrentes, obtidos no 1º trimestre de 2021, relacionados com “ganhos líquidos com operações financeiras e com juros retroactivos, referentes a 2020, recebidos no âmbito do programa de financiamento do BCE – TLTRO III”. O ROE do Grupo CA fixou-se em 7,1% em março.
Comentários