BdP impõe requisitos de passivos para absorver perdas ao Santander Totta

O Santander Totta terá de cumprir requisitos de fundos próprios e de passivos elegíveis (MREL) de 17,43%em 2022 e 20,77% em 2024, comunicou hoje o banco ao mercado, após ser notificado pelo Banco de Portugal. “Quer o Banco, quer a SGPS, cumprem os respetivos requisitos intermédios de MREL, para 1 de janeiro de 2022”, diz a instituição.

Cristina Bernardo

O Banco de Portugal exige ao Banco Santander Totta um rácio de MREL, o que inclui fundos próprios e passivos que podem ser abatidos ou convertidos em capital de forma a absorverem perdas ou recapitalizarem o Banco num evento de resolução, de 15,29% em 2022 e 17,55% em 2024. Isto em termos de em termos do montante total das exposições em risco (TREA).

Já tendo por referência a medida de exposição total (LRE) o requisito é de 5,54% em 2022 e 5,91% em 2024.

No que toca aos requisitos de fundos próprios e passivos elegíveis exigidos à holding Santander Totta SGPS, em base consolidada, a 1 de janeiro de 2022 e 1 de janeiro de 2024, o supervisor exige MREL total de 17,43% e 20,77%, respectivamente. Isto em termos do montante total das exposições em risco. É também requisitado um MREL Subordinado de 17,05% em 2022 e 20,77% em 2024.

Em termos de requisitos de LRE, o MREL total é de 6,88% em 2022 e 7,49% em 2024. O mesmo rácio é exigido para o MREL Subordinado.

“O Banco Santander Totta, bem como a sua acionista Santander Totta SGPS foram notificados pelo Banco de Portugal, enquanto autoridade nacional de resolução, dos requisitos de fundos próprios e passivos elegíveis (MREL – minimum requirement on own funds and elegible liabilities), conforme decisão do Conselho Único de Supervisão, aplicáveis ao grupo de resolução encabeçado pela SGPS, em termos do montante total das exposições em risco (TREA) e da medida de exposição total (LRE)”.

“Com base na informação disponível à data, quer o Banco, quer a SGPS, cumprem os respetivos requisitos intermédios de MREL, para 1 de janeiro de 2022, tanto em percentagem de TREA (incluindo o CBR – combined buffer requirements), como de LRE. O plano de financiamento em curso está alinhado com os requisitos definidos para 2024, diz o banco.

Recomendadas

Oitante antecipa pagamento integral de empréstimo obrigacionista de 746 milhões. Estado poupa 110 milhões em juros

O reembolso antecipado da dívida da Oitante “faz cessar as responsabilidades do Fundo de Resolução e do Estado Português relativamente a essa dívida, permite importantes poupanças financeiras e faz perspetivar a recuperação de uma parte significativa dos 489 milhões de euros desembolsados pelo Fundo de Resolução, em 2015, no financiamento da resolução do Banif”, diz BdP.

Exposição a imobiliário comercial continua a ser proeminente nos bancos, diz DBRS

A divulgação das exposições a imobiliário comercial da banca permanece geralmente limitada na Europa, no entanto, “reconhecemos que, nos últimos anos, os reguladores e supervisores aumentaram o nível de escrutínio, harmonização e transparência”, diz a DBRS.

BCE quer evitar que bancos beneficiem da arbitragem de juros com o financiamento barato obtido na pandemia

Segundo o Financial Times, o BCE vai analisar como é que vai bloquear o acesso dos bancos a este financiamento que é subsidiado e que, segundo os analistas contactados pelo FT, poderá gerar lucros extraordinários de 24 mil milhões de euros para o sector.
Comentários