BdP mantém previsão crescimento económico de 0,9% este ano e de 1,5% em 2015

O Banco de Portugal continua a prever um crescimento económico este ano ligeiramente inferior ao estimado pelo Governo, de 0,9%, e um aumento do PIB de 1,5% em 2015, em linha com o Executivo. Segundo o Boletim Económico hoje divulgado, o Banco de Portugal (BdP) continua a estimar que a economia portuguesa cresça 0,9% este […]

O Banco de Portugal continua a prever um crescimento económico este ano ligeiramente inferior ao estimado pelo Governo, de 0,9%, e um aumento do PIB de 1,5% em 2015, em linha com o Executivo.

Segundo o Boletim Económico hoje divulgado, o Banco de Portugal (BdP) continua a estimar que a economia portuguesa cresça 0,9% este ano, 0,1 pontos percentuais abaixo das previsões mais recentes do Governo para o conjunto de 2014.

A instituição liderada por Carlos Costa mantém também a previsão de um crescimento económico de 1,5% para o próximo ano, em linha com o estimado pelo Executivo no Orçamento de Estado para 2015 e também conforme o que o banco central já tinha previsto no Boletim Económico de junho.

Para 2016, o BdP revê ligeiramente em baixa o crescimento, antecipando que o Produto Interno Bruto (PIB) cresça 1,6% em vez dos 1,7% estimados anteriormente.

Apesar de manter a previsão de crescimento económico para 2014 e 2015, o BdP reviu a composição do PIB para os dois anos, antecipando agora um maior crescimento da procura interna e menor das exportações.

Para este ano, o banco central prevê que as exportações cresçam 2,6% e as importações 6,3%, abaixo dos 3,7% e dos 6,4%, respetivamente, estimados em outubro.

Já para 2015, a instituição antevê que as exportações cresçam 4,2% (abaixo dos 6,1% anteriormente antecipados) e as importações 3,1% (também abaixo dos 4,8% previstos no boletim de junho).

Por outro lado, o BdP antecipa que o Índice Harmonizado de Preços no Consumidor se fixe em -0,1% este ano, em 0,7% no próximo e em 1% em 2016.

Estes indicadores são agora revistos em baixa, já que as estimativas mais recentes do banco central davam conta de uma inflação nula este ano, de 1% em 2015 e de 1,1% em 2016.

O Banco de Portugal admite riscos em torno da projeção para o crescimento da atividade económica “ligeiramente em baixa” para 2015 e 2016, dada a “probabilidade de uma procura externa menos favorável e de uma redução mais significativa do consumo público, compensadas parcialmente por um risco ascendente associado ao impacto das reformas estruturais”.

Neste contexto, lê-se no Boletim Económico, os riscos para a inflação consideram-se “marginalmente descendentes”, com o BdP a admitir que ao longo do horizonte de projeção, “a inflação deverá apresentar níveis reduzidos, já que deverão manter-se pressões descendentes sobre os preços ao nível interno e externo, nomeadamente com os preços de importação (incluindo e excluindo bens energéticos) a registarem variações médias negativas no período 2014-2016”.

No que se refere ao mercado de trabalho, as contas do Banco de Portugal indicam que o emprego do setor privado está a recuperar desde o terceiro trimestre de 2013, mas que essa recuperação é “mais moderada do que a sugerida pelo Inquérito ao Emprego”.

O banco central estima que os trabalhadores por conta de outrem “estarão a crescer no terceiro trimestre de 2014 cerca de 2,5% em termos homólogos”, previsão que contrasta com os números do Inquérito ao Emprego, divulgado pelo Instituto Nacional de Estatística, que aponta para um crescimento homólogo de 6% neste período.

OJE/Lusa

Recomendadas

Patrões vão ter majoração em 50% dos custos com aumentos salariais no IRC

No âmbito do acordo de rendimentos, o Governo decidiu propor aos parceiros sociais uma majoração em 50% dos custos com a valorização salarial em IRC. Patrões têm reclamado, note-se, medidas mais transversais.

Governo propõe reforço do IRS Jovem. Isenção sobe para 50% no primeiro ano

Jovens vão passar a ter um desconto fiscal maior, no início da sua carreira. IRS Jovem passará a prever uma isenção de 50%, em vez de 30%, no primeiro ano.

Governo quer atualizar os escalões do IRS em 5,1% em 2023

O Governo decidiu rever em alta o referencial dos aumentos salariais, puxando-o para o valor do aumento da massa salarial da Função Pública: 5,1%. Será esse o número que será usado para atualizar os escalões do IRS.