BdP negoceia terrenos para nova sede em Lisboa

O objetivo é construir um grande edifício onde se centralizem os serviços e gabinetes, atualmente distribuídos pelo Edifício Portugal, na Avenida Almirante Reis e o espaço na Rua Castilho, os dois locais onde o Banco tem escritórios.

O Banco de Portugal está em negociações com o BCP para a compra dos terrenos que podem vir a ser o espaço da nova sede da instituição em Lisboa, avança o Observador.

Os terrenos em questão pertenciam à família açoriana Bensaúde, na zona das Laranjeiras/Alto dos Moinhos, passando depois pelas mãos do empresário Carlos Saraiva, acabando como património do Millennium BCP.

O objetivo é construir um grande edifício onde se centralizem os serviços e gabinetes, atualmente distribuídos pelo Edifício Portugal, na Avenida Almirante Reis e o espaço na Rua Castilho, os dois locais onde o Banco tem escritórios.

Além destas, o Banco de Portugal tem unidades dispersas em zonas como os Olivais e a Avenida da República.

A nova sede pretende dar espaço às cerca de 1.400 pessoas que trabalham no Banco de Portugal, centralizando as operações num só local e garantindo a capacidade de expansão e eficiência.

Os valores dos imóveis para aquisição ainda são desconhecidos, mas de acordo com estudo realizado internamente pelo Banco de Portugal, as várias eficiências operacionais e redução de custos permitem rentabilizar em trinta anos o investimento que é previsível.

O Banco de Portugal avaliou outras hipóteses de compra nas zonas mais centrais da cidade, mas o número reduzido de alternativas resultou na escolha pelo terreno nas Laranjeiras.

O banco central português aguarda agora que o atual proprietário garanta que o local pode ser utilizado para edificabilidade, acessos e outros aspetos, para poder avançar com o negócio.

A ideia é a de encerrar as negociações durante o próximo ano 2017.

Recomendadas

“Falar Direito”. “Renegociação? Medida deveria abranger outro tipo de créditos mais onerosos”

Na última edição do programa da plataforma multimédia JE TV, advogado Francisco Barona, sócio do departamento financeiro e governance da Sérvulo, considerou que o diploma referente à renegociação do crédito à habitação deveria ser mais abrangente, tendo em conta a contração de outros créditos mais onerosos.

Juro médio dos novos depósitos de particulares dispara em outubro para máximo de cinco anos

Segundo os dados divulgados hoje pelo Banco de Portugal (BdP), “em outubro o montante de novos depósitos a prazo de particulares foi de 4.726 milhões de euros, remunerados a uma taxa de juro média de 0,24%”.

PremiumBanca antevê dificuldades em identificar todos os clientes em 45 dias

Os bancos têm 45 dias para verificar se têm clientes do crédito à habitação que qualifiquem para efeitos da aplicação do diploma do Governo, mas o apuramento dos rendimentos reais é um obstáculo.
Comentários