BE/Açores pede dados sobre violência obstétrica no arquipélago

“O BE considera que há falta de sensibilização para esta realidade nos Açores e defende que é necessário conhecer os dados para que se possa agir de forma proativa na prevenção e erradicação de situações de violência obstétrica”, lê-se na nota de imprensa.

O BE/Açores pediu hoje, através de um requerimento entregue na Assembleia Regional, dados sobre a violência obstétrica no arquipélago, para que se possa “agir de forma proativa” e erradicar esses procedimentos.

Em comunicado, os bloquistas citam um inquérito realizado entre 2015 e 2019 pela Associação Portuguesa pelos Direitos da Mulher na Gravidez e Parto, em que participaram 81 açorianas, e que concluiu que “30% das mulheres afirmam terem sido vítimas de abuso, desrespeito ou discriminação durante o parto”.

“O BE considera que há falta de sensibilização para esta realidade nos Açores e defende que é necessário conhecer os dados para que se possa agir de forma proativa na prevenção e erradicação de situações de violência obstétrica”, lê-se na nota de imprensa.

O partido, que conta com dois deputados no parlamento açoriano, considera ainda que a violência obstétrica é uma “realidade pela qual muitas mulheres passam sem sequer a identificar como uma violação dos seus direitos”.

“O Bloco quer, por isso, saber qual o número de cesarianas, partos vaginais, episiotomias, manobras de ‘Kristeller’ e partos instrumentalizados realizados nos hospitais da região, por ano, desde 2020, em cada hospital dos Açores”, indicam os bloquistas.

No requerimento, o BE questiona também o Governo dos Açores (PSD/CDS-PP/PPM) sobre se têm existido medidas para a “prevenção e erradicação” da violência obstétrica e se estão a ser “implementados planos de nascimento nos hospitais da região”.

A Assembleia Legislativa dos Açores é composta por 57 deputados e, na atual legislatura, 25 são do PS, 21 do PSD, três do CDS-PP, dois do PPM, dois do BE, um da Iniciativa Liberal, um do PAN, um do Chega e um deputado independente (eleito pelo Chega).

Recomendadas

Funchal: Coligação Confiança aponta instabilidade no Executivo municipal

Miguel Silva Gouveia destaca que “agora que todos os vereadores com pelouros são do PSD, a realidade é que o CDS, formalmente, abandonou a Câmara do Funchal, abandonou a cidade do Funchal”.

Madeira: Iniciativa Liberal alerta para excesso de embarcações de pesca ao atum

O partido sugere, nesse sentido, que os governantes estudem a possibilidade de abater algumas embarcações, para os armadores que o quiserem fazer.

Remuneração mensal na Administração Regional da Madeira aumentou para 1.560 euros

Quanto às habilitações, no final de 2021, cerca de 58,8% dos trabalhadores da ARM tinham um curso superior, 23,2% o ensino básico e os restantes 18,9% o secundário. A idade média era de 48,7.
Comentários