BE adota código de conduta face à proliferação de ‘fake news’ e manipulação através das redes sociais

Segundo o código de conduta, o Bloco de Esquerda está presente, incluindo no período de campanha eleitoral, nas redes sociais Facebook, Twitter, Instagram, Flickr, Youtube e WhatsApp, produzindo diretamente todo o conteúdo divulgado.

O Bloco de Esquerda (BE) decidiu hoje assumir um código de conduta no contexto das próximas campanhas eleitorais, face à proliferação de informações falsas e manipulação através das redes sociais.

“O Bloco decide assumir um código de conduta […], quanto à sua atuação no contexto das próximas campanhas eleitorais. Esta decisão tem em conta a tendência para o recurso sistemático à informação falsa e à manipulação através de redes sociais”, lê-se no ‘site’ esquerda.net.

Segundo o código de conduta, o Bloco de Esquerda está presente, incluindo no período de campanha eleitoral, nas redes sociais Facebook, Twitter, Instagram, Flickr, Youtube e WhatsApp, produzindo diretamente todo o conteúdo divulgado.

Por sua vez, só são utilizados perfis institucionais e os membros da equipa do BE “apenas intervêm publicamente nas redes sociais sob o seu nome próprio e de forma identificada”.

O partido esclareceu ainda que não compra seguidores nas redes sociais e que nas imagens e fotografias utilizadas em campanha não são atribuídas ou criadas identidades falsas.

Adicionalmente, o BE disse respeitar a lei na promoção paga das suas publicações, acrescentando que acolhe o debate nos seus espaços.

“O Bloco de Esquerda não organiza intervenção hostil em espaços de adversários políticos nas redes sociais”, indicou.

O partido rejeita ainda “toda a divulgação deliberada de informação falsa”, garantindo que vai tomar “todas as iniciativas legais ao seu alcance para identificar” a origem de calúnias, mentiras e informação falsa.

De acordo com o BE, é recomendada a adoção dos procedimentos do código aos seus dirigentes e representantes, “sendo o que publicam da sua exclusiva responsabilidade”.

“A democracia baseia-se na escolha informada. A intoxicação da opinião pública é uma ameaça à liberdade. Todos os partidos devem recusar e condenar métodos ilegais e anti-democráticos. Nenhum crime contra a democracia deve ficar impune”, concluiu.

Relacionadas

Catarina Martins: “Existem estrangulamentos injustificáveis nos serviços públicos”

A líder do Bloco de Esquerda acusa “os partidos da direita” de “hipocrisia” por “defenderem as reivindicações sindicais”, alerta para “estrangulamentos injustificáveis nos serviços públicos” e diz que “não faz sentido esta corrida para o défice zero”.
Recomendadas

PSD critica Governo por “má gestão e execução” de fundos europeus

Catarina Rocha Ferreira falava no debate parlamentar sobre o Estado da União, esta quarta-feira, criticando ainda a conduta do Governo face às PME quando este “só ajudou 21%” destas empresas e é “dos países que menos gastou” nestes apoios.

Governo diz ter “bons sinais” da União Europeia face a prioridades para a economia portuguesa

O secretário de Estado dos Assuntos Europeus, Tiago Antunes, elogiou o pacote de medidas estabelecidas ao nível europeu no âmbito da energia, nomeadamente a solução, a longo prazo, em apostar no hidrogénio verde com a criação de um banco de hidrogénio, orçamentado em três mil milhões de euros.

JE Podcast: Ouça aqui as notícias mais importantes desta quarta-feira

Da economia à política, das empresas aos mercados, ouça aqui as principais notícias que marcam o dia informativo desta quarta-feira.
Comentários