BE critica autorização da Câmara de Lisboa de festa no Parque Florestal de Monsanto

Para o BE “o vereador Ângelo Pereira “não cumpriu com o necessário dever de responsabilidade as suas competências como vereador da Proteção Civil”.

O Bloco de Esquerda considerou “chocante” a autorização da câmara de Lisboa à realização, dada pelo Vereador Ângelo Pereira, de uma festa no Parque Florestal de Monsanto.

“É chocante que em pleno estado de alerta e com o país a braços com violentos incêndios florestais, a Câmara Municipal tenha posto em risco o Parque Florestal de Monsanto, ignorando o estado de alerta decretado pelo governo”, escreveu no Twitter a vereadora do Bloco de Esquerda Beatriz Gomes Dias.

O BE aponta o vereador Ângelo Pereira “não cumpriu com o necessário dever de responsabilidade as suas competências como vereador da Proteção Civil e que, por isso, é necessário saber se Carlos Moedas considera que o vereador mantém condições para se manter no executivo”.

Além disso, o BE “enviou esta manhã ao Presidente da Câmara Municipal de Lisboa um requerimento exigindo esclarecimentos sobre as autorizações realizadas em tempo recorde ao ‘Pedido de exceção’ do promotor da festa”.

A festa “Dee­jay Kamala 360”, realizou-se a 20 de julho, e teve lugar na Pateira, no coração da Tapada da Ajuda, rodeado pela serra de Monsanto.

De recordar que, a 12 de julho, o Super Bock Super Rock mudou para o Altice Arena, devido à situação de contingência motivada pelas altas temperaturas obriga festival a mudar de lugar.

Recomendadas

JE Podcast: Ouça aqui as notícias mais importantes desta terça-feira

Da economia à política, das empresas aos mercados, ouça aqui as principais notícias que marcam o dia informativo desta terça-feira.

PSD acusa Governo de promiscuidade na contratação de Sérgio Figueiredo

Para o social democrata a contratação evidencia “uma grande promiscuidade entre o Partido Socialista e o Governo com alguns órgãos de comunicação social e as pessoas que aí trabalham”.

“A contratação de Sérgio Figueiredo é criticável em vários aspetos”, diz BE (com áudio)

O presidente do grupo parlamentar do BE considera que a contratação demonstra “ausência de qualquer pingo de ética”. “As escolhas públicas não podem estar reféns de redes de amigos ou do pagamentos de favores”.
Comentários