BE. “Esta tragédia não define o SNS nem os profissionais de saúde”

A dirigente do Bloco de Esquerda, Catarina Martins, comentou a demissão apresentada pela ministra da Saúde Marta Temido na madrugada desta terça-feira, reiterando que “esta tragédia não define o Serviço Nacional de Saúde (SNS) nem os profissionais de saúde” e também não “permite generalizações”.

Manuel de Almeida/Lusa

A coordenadora do BE, Catarina Martins, defende que não se devem continuar “a adiar as decisões fundamentais para garantir que o Serviço Nacional de Saúde (SNS) funciona e garante o acesso à saúde de toda a população e as melhores condições” o que, nas suas palavras, o Governo tem vindo a fazer.

“O Governo tem vindo a adiar sistematicamente todas as condições para o SNS trabalhar, não tem feito investimentos e tem perdido profissionais a cada dia que passa”, apontou a política frisando que essa situação “tem que ser travada já”.

A demissão da ministra constitui a primeira baixa de ‘peso’ no XXIII Governo Constitucional, que tomou posse há exatamente cinco meses, em 30 de março. Marta Temido iniciou funções como ministra da Saúde em outubro de 2018, sucedendo a Adalberto Campos Fernandes, e foi ministra durante os três últimos executivos liderados pelo socialista António Costa.

Recomendadas

Costa pede novas regras fiscais europeias que permitam investimentos estratégicos

Quando a União Europeia debate uma revisão das regras fiscais e financeiras o primeiro-ministro, António Costa, considera que existe uma proposta da Comissão que já tem “contributos muito positivos”, no entanto, é necessário, para além desses contributos, “um estabilizador macroeconómico permanente”, para “estabilização em situações de crise”.

Detida vice-presidente do Parlamento Europeu em investigação de lóbi ilegal do Qatar

A social-democrata grega Eva Kaili, está entre os cinco detidos na Bélgica no âmbito de uma investigação sobre alegado lóbi ilegal do Qatar para influenciar decisões políticas em Estrasburgo, diz a imprensa belga.

Eutanásia: Montenegro reitera dúvidas e diz que PS e Chega são “cúmplices no medo do referendo”

A Assembleia da República aprovou a despenalização da morte medicamente assistida em votação final global, pela terceira vez, com votos a favor da maioria da bancada do PS, da IL, do BE, dos deputados únicos do PAN e Livre e ainda de seis parlamentares do PSD. Votaram contra a maioria da bancada do PSD, os grupos parlamentares do Chega e do PCP e seis deputados do PS, registando-se três abstenções entre os sociais-democratas e uma na bancada socialista.
Comentários