BE propõe que complemento solidário para idosos tenha limiar da pobreza como referência

“Em Portugal há um grande número de pensionistas que têm pensões que ficam abaixo do limiar da pobreza e, por isso, foi criado o complemento solidário para idosos, mas, de uma forma absurda, o complemento solidário para idosos não foi atualizado, teve sempre um valor abaixo do limiar da pobreza”, referiu Catarina Martins.

A coordenadora do Bloco de Esquerda (BE), Catarina Martins propôs que o complemento solidário para idosos tivesse como referência limiar da pobreza esta segunda-feira, 21 de dezembro, durante o seu encontro com Associação Aposentados, Pensionistas e Reformados (APRe).

“Como sabem, em Portugal há um grande número de pensionistas que têm pensões que ficam abaixo do limiar da pobreza e, por isso, foi criado o complemento solidário para idosos, mas, de uma forma absurda, o complemento solidário para idosos não foi atualizado, teve sempre um valor abaixo do limiar da pobreza”, referiu Catarina Martins.

“Se é uma prestação para combater a pobreza nos idosos tem que ter como referência o limiar da pobreza”, pediu a deputada bloquista acrescentando que o partido também pretende que “seja retirado o rendimento dos filhos no cálculo do complemento solidário para idosos”.

“Já foi retirado em quase todos os escalões, menos o último. Estamos a falar de uma prestação muito pequena para quem está em situação de pobreza e essa consideração dos rendimentos dos filhos com que o idoso não vive não tem nenhum sentido nesta matéria”, destacou Catarina Martins.

Nas redes sociais, a líder do BE destacou o partido tem acompanhado a situação dos pensionistas. “O Bloco acompanha a petição e propõe o fim da ponderação do rendimento dos filhos na atribuição do CSI [complemento solidário para idosos] e garantindo a convergência do seu valor de referência com o limiar de pobreza. Um caminho iniciado o OE20, mas que tarda”, escreveu Catarina Martins.

Noutra publicação, Catarina Martins explicou que “esta manhã reunimo-nos com a Associação de Aposentados, Pensionistas e Reformados a propósito da petição sobre o Complemento Solidário para Idosos que será debatida amanhã no Parlamento”.

 

 

Relacionadas

Bloco de Esquerda: Galp distribuiu “milhões de euros aos seus acionistas e está a despedir trabalhadores”

Catarina Martins criticou também o Estado por deter 7,5% da Galp, mas não usar a sua posição na empresa para tentar impedir o encerramento das operações de refinação em Matosinhos. A Galp pagou 580 milhões de euros aos seus acionistas relativo ao exercício de 2019, ano em que lucrou 560 milhões de euros.

BE pede apoio ao pagamento de rendas e quer impedir fim dos contratos. Medida “não é apenas justa, mas essencial”

Os bloquistas querem que os contratos de arrendamento para fins não habitacionais sejam estendidos por um período igual ao da duração da pandemia para os negócios mais afetados pela pandemia. “Estender os períodos dos contratos na mesma medida da redução económica não é apenas justo, é essencial para que estas empresas possam retomar a sua atividade”, diz Manuela Rola.
Recomendadas

Associação Zero dá parecer negativo a mais voos noturnos em Lisboa

No início de agosto foi anunciado pelo Governo a intenção de aprovar uma portaria que permita anular temporariamente a parte da lei que estabelece restrições ao tráfego aéreo noturno entre as 0h e as 6h, que a Navegação Aérea (NAV) quer que seja entre o dia 18 e 29 de novembro, para implementar um novo sistema de controlo.

PS/Madeira acusa Governo Regional de estar “alheado da realidade”

O líder do PS/Madeira acusou este sábado o Governo Regional e os partidos que o compõem o executivo insular (PSD e CDS) de estarem “alheados da realidade” e dos problemas dos madeirenses porque estão “fechados nos gabinetes”.

Aquilo que foi feito na TAP “foi um crime político e financeiro”, refere Luís Montenegro

O presidente do PSD, Luís Montenegro, afirmou este sábado que o que foi feito na TAP “foi um crime político e financeiro”, considerando que a vontade do Governo de privatizar a companhia não pode passar incólume.
Comentários