BE quer alterar lei para permitir adoção até aos 18 anos

“Trinta anos volvidos desde a fixação dos 15 anos como idade máxima do adotando, impõe-se questionar e rever a sua fundamentação”, diz o BE, que aponta que o destino destes menores de idade acaba por ser a institucionalização.

O Bloco de Esquerda (BE) deu entrada de um projecto lei que prevê a alteração da idade máximo do adotando de 15 para 18 anos. No projecto, os bloquistas recordam que “desde 1993, que o adotando deve ter menos de 15 anos de idade à data do requerimento de adoção”.

“Trinta anos volvidos desde a fixação dos 15 anos como idade máxima do adotando, impõe-se questionar e rever a sua fundamentação, bem como adaptar a lei à sociedade atual, aos direitos das crianças e jovens atualmente reconhecidos e às novas formas de organização familiar”, defende o partido liderado por Catarina Martins.

A lei que vigora desde 1993 impediu a adoção de mais de dois mil jovens do sistema, segundo o “Jornal de Notícias”. O que acaba por acontecer aos menores que não são adotados é que acabam por ser institucionalizados e partido sublinha que em Portugal a taxa “de institucionalização está na ordem dos 97%”.

Para o BE, “na ótica do legislador, a criança com mais de 15 anos não consegue amar, vincular-se e criar laços, pelo que ‘não merece’ ser adotada e ter uma família”.

Além dos mais de dois mil jovens do sistema excluídos  da adopção, o BE diz que existe ainda outro problema. “Esta limitação tem permitido a separação de irmãos, podendo um ser adotado e o outro não, assim quebrando em definitivo laços familiares fundamentais”, destaca o partido.

Como tal, o projecto de lei do BE determina que “o adotando deve ter menos de 18 anos à data do requerimento de adoção” e que é considerada criança “qualquer pessoa não emancipada com idade inferior a 18 anos”.

Recomendadas

BE vai centrar “boa parte” da sua atividade no problema transversal da habitação

“Tenho ouvido alguns argumentos sobre a constitucionalidade desta medida que partem de um pressuposto errado que é de que o BE discrimina em função da nacionalidade. Não. O que o BE faz é garantir que quem trabalha em Portugal possa ter acesso à habitação”, explicou.

Catarina Martins contra “Estado pessoa de bem” apenas para a “elite do privilégio”

“Não posso deixar de assinalar a frase muito infeliz do ministro João Galamba ao dizer que, como o Estado é uma pessoa de bem, teria de manter os prémios milionários na TAP”, criticou, em declarações aos jornalistas, Catarina Martins.

Convenção Nacional do BE marcada para 27 e 28 de maio em Lisboa

No rescaldo dos maus resultados eleitorais das últimas legislativas, nas quais o BE deixou de ser a terceira força política, perdeu metade dos votos e ficou reduzido a cinco deputados, a oposição interna chegou a pedir a antecipação da convenção nacional, mas esta vai ter o seu calendário habitual, ou seja, realiza-se com dois anos de intervalo.
Comentários