BE quer ouvir João Galamba no parlamento sobre limitações no serviço da Transtejo/Soflusa

O BE pediu hoje a audição parlamentar urgente do ministro das Infraestruturas, João Galamba, para esclarecer as “limitações e disrupções na travessia do Tejo por parte da Transtejo/Soflusa”.

Num requerimento a que a agência Lusa teve acesso e dirigido ao presidente da Comissão de Economia, Obras Públicas, Planeamento e Habitação, os bloquistas referem que “a Transtejo/Soflusa anunciou que a ligação fluvial entre Barreiro e Lisboa estará sujeita a limitações até 10 de fevereiro, justificando essa situação com as limitações da frota em consequência do abalroamento sofrido pelo navio Gil Vicente em 4 de janeiro”.

“Assim, a Transtejo/Soflusa afirma que não é possível garantir a realização de todas as carreiras previstas aos ‘dias úteis’”, acrescenta-se.

Os problemas, segundo o BE, “não se limitam aos efeitos provocados pelo abalroamento” já que “na sua atividade regular têm sido suprimidas várias travessias”, referindo que para hoje “está marcada uma concentração de protesto contra esta situação junto à estação do Cais do Sodré”.

“É assim da máxima importância que, mesmo com os problemas resultantes da colisão, a Transtejo/Soflusa tenha sistemas de redundância que lhe permitam assegurar a manutenção da resposta neste momento e em problemas que se venham a registar no futuro. Ainda que garanta que na sua atividade regular não há cancelamentos de travessias e que oferece serviço público regular e de qualidade”, defende.

O BE requer “a audição, com caráter de urgência, do ministro das Infraestruturas relativamente às limitações e disrupções na travessia do Tejo por parte da Transtejo/Soflusa”.

Os utentes do transporte fluvial que liga a margem sul a Lisboa realizam hoje uma concentração na estação do Cais do Sodré em protesto contra os constantes constrangimentos no serviço.

O protesto é organizado pelas comissões de utentes do Cais do Seixalinho (Montijo), do Seixal, Barreiro e Almada que, em conjunto, decidiram chamar a atenção para os problemas que as ligações têm tido nos últimos tempos.

A Transtejo é responsável pela ligação do Seixal, Montijo, Cacilhas e Trafaria/Porto Brandão, no distrito de Setúbal, a Lisboa, enquanto a Soflusa faz a travessia entre o Barreiro, também no distrito de Setúbal, e o Terreiro do Paço, em Lisboa.

Numa resposta enviada à agência Lusa no final de dezembro, a empresa explicou que as perturbações de serviço registadas nas ligações fluviais do Montijo e do Seixal resultam de avarias inesperadas nos navios.

Em novembro, o Governo perspetivou ter disponível a maior parte da frota elétrica de navios da Transtejo já durante o ano de 2023.

Jorge Delgado estimou então que os primeiros navios elétricos começariam a operar entre o fim de 2022 e o início de 2023, adiantando que as baterias e os postos de carregamento já estavam contratados.

Em setembro, a Transtejo tinha anunciado que a empreitada de construção e fornecimento de estações de carregamento da nova frota elétrica de navios da Transtejo tinha sido adjudicada pelo valor de cerca de 14,4 milhões de euros.

Em agosto, a empresa fez saber que a entrega dos quatro primeiros navios da nova frota elétrica estava prevista para o período entre dezembro de 2022 e junho de 2023.

Recomendadas

PremiumDa educação aos transportes, greves disparam 25%

O ano de 2022 ficou marcado por um agravamento da contestação. Deram entrada mais de mil pré-avisos de greves, um máximo de 2013, altura da troika. Em 2023, a luta vai continuar, avisam sindicatos.

Assessor de vereadora da CML vai ganhar mais de sete mil euros por mês

Assessor de deputada do CDS-PP vai ganhar 70 mil euros mais IVA por dois anos de trabalho.

PremiumLeia aqui o Jornal Económico desta semana

Esta sexta-feira está nas bancas de todo o país a edição semanal do Jornal Económico. Leia tudo na plataforma JE Leitor. Aproveite as nossas ofertas para assinar o JE e apoie o jornalismo independente.
Comentários