BEI e AllianzGI vão investir cerca de 100 milhões em projetos de energias renováveis

A Allianz e o BEI esperam que o Fundo crie 15 mil empregos na construção e contribua para a instalação de mais de 2 Gigawatts de nova capacidade em energia limpa na região. O fundo financiará projetos de energias renováveis no Médio Oriente, Norte da África, Europa de Leste e Ásia Central.

O anúncio foi feito na 27.ª conferência do clima da Organização das Nações Unidas (COP27). “A estratégia Emerging Markets Climate Action Fund (EMCAF) acaba de anunciar um investimento de 25 milhões de dólares (24,3 milhões de euros) no fundo Alcazar Energy Partners II, uma estratégia de fundos que proporciona financiamento de capital inicial para desenvolver, construir e operar projetos de energias renováveis no Médio Oriente, Norte da África, Europa de Leste e Ásia Central”.

Este compromisso é paralelo ao do BEI Global, dedicado aos mercados fora da UE do Grupo Banco Europeu de Investimento (BEI), que aporta 75 milhões de dólares (73 milhões de euros) ao fundo.

Ao todo o BEI e AllianzGI vão investir 100 milhões de dólares (97,2 milhões) em projetos de energias renováveis.

“O Alcazar Energy Partners II tem um tamanho-objetivo de 500 milhões de dólares (486,2 milhões de euros) e vai investir em energia eólica e solar fotovoltaica onshore, com possíveis investimentos adicionais em energia hidrelétrica, biomassa ou armazenamento de eletricidade baseados em baterias ou outras tecnologias de baixo carbono”, refere o comunicado.

A Allianz e o BEI esperam que o Fundo crie 15 mil empregos na construção e contribua para a instalação de mais de 2 Gigawatts de nova capacidade em energia limpa na região. “Dessa forma, serão economizadas 3,2 milhões de toneladas equivalentes de CO2 por ano, o que deve gerar energia limpa suficiente para o abastecimento de mais de um milhão de habitações”, referem em comunicado.

A EMCAF é “uma inovadora estratégia de financiamento misto iniciada em conjunto pelo BEI e pela AllianzGI para financiar projetos de mitigação e adaptação climática, bem como ambientais em África, Ásia, América Latina e Médio Oriente”.

“Durante a sua cimeira em Elmau (Alemanha) em junho de 2022, o Grupo dos Sete (G7) respaldou o EMCAF como o exemplo de uma abordagem concreta inovadora e impulsionada pelo mercado para mobilizar investimentos privados em infraestrutura relevante para o clima e melhorar o financiamento e a colaboração multilaterais”, referem.

O Vice-Presidente do BEI, Ambroise Fayolle, comentou na nota que “para cumprir as metas climáticas de Paris e reforçar a segurança energética global, os sistemas energéticos do mundo devem descarbonizar o mais rápido possível. Para fazê-lo, o sistema financeiro precisa de mobilizar biliões de dólares para projetos de energia verde do setor privado”.

“Estou muito satisfeito por anunciar hoje os investimentos do EMCAF e do BEI Global no fundo Alcazar Energy Partners II. Este apoio vai ajudar a atrair novas contribuições de investidores e garantir que o fundo desempenhe um papel importante na aceleração da transição verde nos seus países de operação”, refere.

Já Tobias Pross, CEO da AllianzGI, acrescentou que “os mercados emergentes são os que mais necessitam de dinheiro para a adaptação e a mitigação do clima e onde terá um impacto muito mais imediato do que nos países desenvolvidos. Estou orgulhoso de que os nossos investimentos no EMCAF estejam a ganhar força nos mercados emergentes, não apenas para ajudar a combater as alterações climáticas, mas também para apoiar o crescimento económico saudável nesta região. Estamos agradecidos por o BEI ter alavancado este investimento e ansiosos por introduzir mais como estes rapidamente também em outros países”, conclui.

Recomendadas

Banco de Fomento lança consulta pública para dois novos Programas de co-investimento em PME

Estando ainda disponível o montante de 475 milhões de euros para lançar novos Programas, “o BPF convida as empresas e todos os interessados a participar na consulta pública acerca de futuras soluções de capital e quase capital, com o objetivo de obter contributos sobre as condições de dois Instrumentos Financeiros pré-estruturados destinados a fomentar a constituição de empresas e/ou capitalização empresarial”, revela o banco liderado por Ana Carvalho.

Premium“Somos a ótica das pessoas e que traz o know how francês”, diz CEO do grupo MonOpticien

Em entrevista ao JE, o CEO do grupo MonOpticien, Florent Carriére, explica o modelo de subscrição que traz para Portugal. “O meu concorrente não é a Multióticas, é a a Netflix e o Spotify”, sublinha.

Bancos da zona euro devolvem antecipadamente 447,5 mil milhões ao BCE

Este montante vem juntar-se aos quase 300 mil milhões de euros que foram reembolsados antecipadamente em 23 de novembro.
Comentários