Bélgica expulsa 21 diplomatas russos por suspeitas de espionagem (com áudio)

Os funcionários trabalhavam na Embaixada da Rússia em Bruxelas e no Consulado em Antuérpia.

Bruxelas, Bélgica: 2.503 dólares

A Bélgica decidiu expulsar 21 diplomatas russos do país por suspeitas de espionagem e consequente ameaça à segurança interna, anunciou esta terça-feira o Ministério dos Negócios Estrangeiros.

De acordo com um relatório publicado por uma agência noticiosa belga ao qual a “Reuters” teve acesso, os 21 cidadãos de nacionalidade russa trabalhavam na Embaixada da Rússia em Bruxelas e no consulado em Antuérpia.

Ao que tudo indica, e segundo informação de um porta-voz do ministério belga, os referidos funcionários foram acreditados como diplomatas, mas estavam a trabalhar em operações de espionagem.

Na semana passada, na Polónia, a Agência para a Segurança Interna (ABW) anunciou que identificou 45 pessoas – oficiais dos serviços secretos russos e indivíduos com ligações aos mesmos- que usufruíram do estatuto de diplomatas no país, o que levou à sua expulsão do país.

Da parte da Rússia, o Kremlin anunciou ontem a decisão de expulsar três diplomatas da Eslováquia em retaliação à decisão paralela tomada há cerca de duas semanas por Bratislava.

Recomendadas

Ucrânia: Alemanha garante apoio ao sector energético e entrega “mais de 350 geradores”

A Alemanha vai fornecer “mais de 350 geradores” à Ucrânia, afetada pelos ataques russos contra as suas infraestruturas de energia nas últimas semanas, divulgou hoje o porta-voz do Governo alemão.

Ucrânia: França e Eslováquia reforçam arsenal militar ucraniano

A Ucrânia anunciou hoje que recebeu sistemas de artilharia LRU oriundos da França e a Eslováquia informou que entregou 30 veículos de transporte de infantaria, para reforçar o arsenal militar que será usado contra a invasão russa.

Hungria diz que não condiciona alargamento da NATO ao envio de verbas comunitárias

O primeiro-ministro da Hungria, Viktor Orbán, assegurou hoje que não irá condicionar a ratificação do alargamento da NATO ao envio a Budapeste de fundos comunitários congelados por Bruxelas devido à situação do estado de Direito no país.
Comentários