Benefício indevido de Manuel Pinho terá dado 852 milhões de euros à EDP

O valor mínimo da extensão da concessão de 27 barragens seria 1,611 mil milhões de euros, de acordo como Núcleo de Assessoria Técnica da Procuradoria-Geral da República.

Manuel Pinho, enquanto ministro da Economia do governo de José Sócrates, terá dado à EDP um benefício indevido de 852 milhões de euros, revela o ”Correio da Manhã” (CM), que teve acesso ao relatório de perícia do Núcleo de Assessoria Técnica da Procuradoria-Geral da República (PGR) sobre a extensão da concessão de 27 barragens a esta energética.

A PGR concluiu que a empresa deveria ter pago, no mínimo, 1,611 mil milhões de euros, pela extensão por 25 anos, ao invés de 759 milhões de euros. “O valor da extensão da concessão do DPH fixado por despacho governamental, no montante de 759 milhões de euros, é inferior ao justo valor apurado”, refere o documento consultado pelo CM.

Segundo a edição desta quinta-feira do diário do grupo Cofina, os emails de António Mexia mostram que foram os gabinetes dos ex-governantes Manuel Pinho e de António Castro Guerra que conduziram o processo.

O ex-ministro da Economia Manuel Pinho regressa hoje ao Parlamento.

Recomendadas

Digi e Cellnex celebram acordo para instalação de rede 5G em Portugal

Esta é a primeira informação oficial a surgir depois de a Digi ter investido mais de 67 milhões de euros na compra de licenças 5G no leilão da Anacom.

Mastercard quer oferecer soluções tecnológicas de pagamento que incluam criptomoedas

A Economista Responsável pelos Mercados da Europa, Médio-Oriente e África no Instituto Económico da Mastercard, Natalia Lechmanova, mostrou como os hábitos dos consumidores estão a alterar-se nas economias ocidentais, onde “as pessoas estão a dar cada vez mais prioridade às experiências e menos a “coisas”.

Mobilidade Sustentável: conheça a aposta da Schindler

Com a missão de ser cada vez mais sustentável, a Schindler estabeleceu para o ano de 2030 uma redução de 50% nas emissões de gases com efeito de estufa das suas atividades, com base nos dados de 2020.
Comentários