Benjamin Netanyahu em visita tensa a Paris

O presidente francês, Emmanuel Macron, foi dos primeiros a criticar a decisão de Trump de promover Jerusalém a capital de Israel.

Ronen Zvulun /Reuters

O primeiro-ministro israelita encontra-se hoje com o presidente francês, Emmanuel Macron, em Paris – naquela que será a primeira viagem à Europa depois da decisão de Donald Trump de assumir Jerusalém como capital do Estado de Israel. Macron foi dos primeiros dirigentes mundiais a discordar do presidente norte-americano, pelo que o encontro entre os dois será de alguma tensão.

À partida para Paris, Benjamin Netanyahu queixou-se disso mesmo: afirmou que a posição da Europa sobre a matéria é importante, mas disse que não estava preparado para aceitar a dualidade de critérios que, no seu entender, daí resulta. O líder israelita afirmou não compreender porque é que a Europa não foi rápida a condenar os ataques de que o território foi alvo na sequência da decisão de Trump. Citado por várias agências internacionais, Netanyahu disse, mesmo assim, que o encontro com Macron poderia ser importante.

Emmanuel Macron regressa assim ao dossiê da guerra na Palestina – onde a presidência francesa (nomeadamente com o seu antecessor, François Hollande) tem tentado marcar pontos na agenda internacional. Mas a estratégia tem sido difícil: recorde-se que Hollande chegou a tentar agendar uma cimeira internacional para discutir a matéria, cimeira essa que foi claramente boicotada por Israel, pouco interessada em ver o assunto tratado fora das quatro paredes em que se costuma fechar para discutir a matéria apenas com os países que lideram o processo de paz.

Segundo as agências internacionais, a visita de Benjamin Netanyahu poderia servir para que Paris fosse palco de várias manifestações contra a tomada de posição de Donald Trump – que tem sido recusada por praticamente todas as geografias, a começar pelo Vaticano.

A tensão entre Telavive e o resto do mundo dá-se numa altura em que Benjamin Netanyahu está a sofrer duras críticas internas, ao ser acusado de interferir em negócios privados e em aceitar subornos para o fazer. Ontem mesmo, uma manifestação em Telavive pedia a imediata resignação do primeiro-ministro e uma investigação aprofundada sobre a matéria.

Entretanto, a Liga Árabe continua reunida de emergência no Egipto, para debater a questão de Jerusalém.

Relacionadas

Jerusalém: Polícia e manifestantes em confronto no Líbano

As ondas de choque suscitadas pelo reconhecimento de Jerusalém como capital de Israel não param.

Israel bombardeia posições militares em Gaza

Defesa israelita garante que bombardeamento acontece em resposta a foguete lançado pelos palestinianos.

Jerusalém: EUA dizem-se empenhados na paz e criticam hostilidade da ONU contra Israel

Nikki Haley falava no decorrer da reunião de urgência do Conselho de Segurança da ONU, convocada a propósito da decisão do Presidente Donald Trump de reconhecer unilateralmente Jerusalém como capital de Israel.
Recomendadas

Josep Borrell pressiona Israel sobre os palestinianos

O primeiro-ministro israelita Yair Lapid e o chefe de política externa da União desentenderam da reunião do Conselho da União Europeia-Israel, em Bruxelas. Pontos de vista diferentes sobre a Palestina e sobre o Irão ficaram bem evidentes.

Bulgária: eleições longe de resolverem crise política

Acusado de corrupção, o GERB voltou a ganhar as eleições e arrisca manter o país ingovernável. A única forma de ultrapassar o impasse seria um governo de coligação entre os dois maiores partidos, mas isso não parece estar no horizonte.

Indonésia. Polícia sob pressão pelo uso indiscriminado de gás lacrimogéneo

Os desacatos num estádio de futebol resultaram em 125 mortos, 17 dos quais crianças, de acordo com as autoridades. A atuação da polícia gerou o caos e vai contra as indicações da FIFA.
Comentários