Benjamin Netanyahu: “Jerusalém é a capital de Israel, ninguém o pode negar”

“Torna possível a paz porque reconhece a realidade e a substância da paz”, declarou o primeiro-ministro israelita esta segunda-feira, em Bruxelas, antes do encontro com os ministros dos Negócios Estrangeiros da União Europeia.

Atef Safadi/Reuters

O primeiro-ministro israelita disse hoje em Bruxelas que o reconhecimento de Jerusalém como capital do país “torna a paz possível” no Médio Oriente.

“Jerusalém é a capital de Israel, ninguém o pode negar (…) Torna possível a paz porque reconhece a realidade e a substância da paz”, declarou Benjamin  Netanyahu hoje em Bruxelas antes do encontro com os ministros dos Negócios Estrangeiros da União Europeia.

Trata-se da primeira visita do chefe de governo de Israel a Bruxelas e decorre num período de tensão política provocada pelo reconhecimento da cidade de Jerusalém como capital israelita pelos Estados Unidos.

A posição anunciada na semana passada pelo presidente norte-americano, Donald Trump, tem sido criticada pela União Europeia.

“Como parceiros e amigos de Israel, nós pensamos que é do interesse securitários de Israel encontrar uma solução duradoura e global” para o conflito, disse hoje Federica Mogherini, chefe da diplomacia europeia.

Mogherini condenou também “todos os ataques cometidos contra os judeus, em todo o mundo, incluindo na Europa”.

Relacionadas

Benjamin Netanyahu em visita tensa a Paris

O presidente francês, Emmanuel Macron, foi dos primeiros a criticar a decisão de Trump de promover Jerusalém a capital de Israel.

Macron pede a Netanyahu “o congelamento dos colonatos”

Quatro dias após a decisão de Trump fazer de Jerusalém a capital de Israel, o presidente francês pede ao primeiro-ministro israelita gestos de desanuviamento.
Recomendadas

Ucrânia. EUA anunciam novo pacote de 627,3 milhões de euros em ajuda militar a Kiev

O presidente norte-americano, Joe Biden, informou hoje o seu homólogo ucraniano, Volodymyr Zelensky, da concessão de um novo pacote de ajuda militar de 625 milhões de dólares (627,3 milhões de euros).

Governo acompanha caso de portuguesa encontrada morta em França

O Ministério dos Negócios Estrangeiros português anunciou hoje que os consulados gerais de Estrasburgo e do Luxemburgo estão a acompanhar “com especial atenção” o caso de uma portuguesa encontrada morta em França.

Japão, EUA e NATO condenam disparo de míssil norte-coreano

Estados Unidos, Japão e NATO condenaram hoje o disparo pela Coreia do Norte de um míssil balístico sobre o Japão, comprometendo-se a coordenar uma resposta multilateral à provocação do regime do presidente Kim Jong-un.
Comentários