BES/GES: Passos Coelho e Carlos Costa arrolados como testemunhas de Salgado

Pedro Passos Coelho e Carlos Costa foram arrolados como testemunhas de Ricardo Salgado no processo BES/GES na qualidade de primeiro-ministro e Governador do Banco de Portugal à data da resolução do BES, em agosto de 2014.

O ex-primeiro-ministro Pedro Passos Coelho, o ex-governador do Banco de Portugal Carlos Costa e o último presidente do BES, Vítor Bento, serão ouvidos pelo juiz Ivo Rosa como testemunhas de Ricardo Salgado na instrução do caso BES/GES.

O ex-banqueiro e presidente do BES prescindiu de 33 das mais de 80 testemunhas inicialmente arroladas no seu requerimento de abertura de instrução (RAI), estando agora convocadas para prestar declarações 51 testemunhas, 12 das quais residentes no estrangeiro, de acordo com o despacho de instrução do juiz Ivo Rosa, a que a Lusa teve acesso.

Pedro Passos Coelho deve prestar declarações perante o tribunal pelas 14h00 de dia 30 de junho, Vítor Bento pelas 09h00 do dia anterior, 29 de junho, e o ex-governador do Banco de Portugal Carlos Costa no mesmo dia que o ex-primeiro-ministro, mas pelas 16h00.

Ivo Rosa defende, no despacho de instrução, “que o alegado pelo arguido [Ricardo Salgado] no RAI é relevante para as finalidades da presente instrução e dado que essa factualidade poderá ser esclarecida através de prova testemunhal, […] o tribunal irá, oficiosamente, proceder à inquirição do senhor Governador do Banco de Portugal à data dos factos (julho de 2014), Carlos da Silva Costa”.

O primeiro-ministro e Governador do Banco de Portugal à data da resolução do BES

Recomendadas

PremiumFim do protocolo com a Coleção Berardo não é prejudicial à banca

A denúncia do contrato, anunciada pelo Ministério da Cultura, vai entrar em vigor em janeiro de 2023. Mas, segundo apurou o JE, a banca considera que esta decisão do Governo não lhe é prejudicial.

CGD propõe distribuir dividendo adicional de 137 milhões de euros

O banco público explica que “dispõe de uma situação financeira robusta, pelo que a alteração do montante a entregar ao acionista não prejudica a sua capacidade de cumprir com os requisitos legais e regulamentares”.

Ucrânia: Moscovo restringe ação dos bancos italianos Intesa Sanpaolo e UniCredit

O banco central da Federação Russa impôs restrições temporárias às contas bancárias de empresas e cidadãos italianos das filiais locais do Intesa Sanpaolo e UniCredit, disseram à Efe fontes conhecedoras do caso.
Comentários