BES: Tribunal declara nula acusação de BdP contra Salgado e Amílcar Pires

O tribunal anulou a acusação do Banco de Portugal contra Ricardo Salgado e Amílcar Pires, no processo de contraordenação pela ausência de medidas de prevenção de branqueamento de capitais e financiamento do terrorismo em unidades do BES no estrangeiro.

Rafael Marchante/Reuters

Na sentença sobre o pedido de impugnação das contraordenações aplicadas pelo Banco de Portugal (BdP) ao ex-presidente do BES, Ricardo Salgado, e ao ex-administrador Amílcar Pires, o Tribunal da Concorrência, Regulação e Supervisão (TCRS), situado em Santarém, deu razão aos recursos que invocavam preterição do direito de defesa na fase administrativa do processo.

O processo que originou a condenação de Ricardo Salgado ao pagamento de uma coima de 350.000 euros e de Amílcar Morais Pires ao pagamento de 150.000 euros – António Souto, condenado a uma coima de 60.000 euros, não recorreu, o mesmo acontecendo com o BES (25.000 euros) – alegava que, devido à omissão dos três responsáveis, o BES não aplicava medidas de prevenção de branqueamento de capitais e financiamento do terrorismo nas sucursais e filiais do BES de Angola, Cabo Verde, Miami e Macau.

Por determinação do juiz Sérgio Martins de Sousa, a acusação e todo o processo ulterior foram declarados nulos, “ressalvando dos seus efeitos todas as diligências de prova já produzidas durante a instrução dos autos”, devendo agora o BdP, querendo, voltar a lavrar decisão, “proferindo-a isenta dos vícios que afetam a sua validade”, afirma a sentença a que a Lusa teve hoje acesso.

Recomendadas

EDP: “A Europa teve sorte este inverno, não vai haver problemas de abastecimento”

“Europa já está livre da dependência do gás da Rússia”, disse hoje Joana Freitas da EDP Produção.

Durão Barroso diz que “desglobalização” afetará empresas portuguesas

“À incerteza em torno do desenlace da guerra na Ucrânia soma-se o processo de desglobalização, fragmentação e polarização  do mundo que significará obstáculos crescentes ao comércio e a formação de dois blocos comerciais”, disse Durão Barroso no almoço promovido pela Crédito y Caución, referindo-se aos EUA e a UE, por um lado, e à China e à Rússia, por outro.

Sobrevivência de 10% das empresas ameaçada pela morosidade, diz Crédito y Caución

O impacto da morosidade intensificou-se em Portugal, com 74% das empresas nacionais (mais oito pontos percentuais que no ano passado) a sofrerem o impacto negativo na sua conta de resultados.
Comentários