Biden afasta ideia de recessão nos EUA

Para o chefe de Estado norte-americano, os bons números do emprego poderão contribuir para uma reversão do crescimento registado no primeiro trimestre do ano, quando contraiu 1,4% em valores anualizados.

Michael Reynolds/EPA via Lusa

O Presidente dos Estados Unidos da América, Joe Biden, afirmou segunda-feira que o seu país não vai sofrer uma recessão, numa semana em que serão divulgados os números do crescimento da economia federal, que poderão mostrar uma contração pelo segundo trimestre consecutivo.

“Penso que não teremos uma recessão”, disse Joe Biden à comunicação social, segundo a agência noticiosa France-Presse (AFP).

Para o chefe de Estado norte-americano, os bons números do emprego poderão contribuir para uma reversão do crescimento registado no primeiro trimestre do ano, quando contraiu 1,4% em valores anualizados.

A secretária do Tesouro, Janet Yellen, também expressou otimismo de que os EUA vão conseguir evitar uma recessão nos próximos meses, atribuindo-o a um mercado de trabalho saudável e aos gastos dos consumidores.

Em 19 de julho, apesar de considerar que um abrandamento económico é inevitável, Yellen referiu que uma recessão “não é compatível com o tipo de mercado de trabalho” registado no país.

O crescimento do produto interno bruto (PIB) dos EUA no segundo trimestre será divulgado na quinta-feira.

Em abril, o Departamento do Comércio estimou que a economia norte-americana contraiu 1,4% no primeiro trimestre, contra previsões de um crescimento de 1,1%.

É considerado que um país está em recessão após dois trimestres consecutivos de crescimento negativo.

Recomendadas

JE Podcast: Ouça aqui as notícias mais importantes desta terça-feira

Da economia à política, das empresas aos mercados, ouça aqui as principais notícias que marcam o dia informativo desta terça-feira.

Revista de imprensa internacional: as notícias que estão a marcar a atualidade global

FBI realiza buscas na propriedade de Donald Trump em Mar-a-Lago, nos EUA; Rússia aponta as sanções dos EUA como motivo para não receber inspeções ao seu arsenal nuclear; governo espanhol vai levar ao tribunal constitucional as regiões autónomas que incumpram acordo de redução de consumo energético

Exportações de bens aumentaram 37,1% e importações 41,6% em junho

Em termos homólogos, as variações resultaram num aumento do défice da balança comercial na ordem dos 903 milhões de euros, revelou hoje o Instituto Nacional de Estatística.
Comentários