Biden assina esta terça-feira documentos que apoiam adesão da Suécia e Finlândia à NATO

A aprovação de Joe Biden sucede à do Senado na semana passada.

O presidente dos Estados Unidos, Joe Biden, vai assinar, esta terça-feira, documentos que apoiam a adesão da Finlândia e da Suécia à NATO, segundo a “Reuters”.

Na semana passada, a esmagadora maioria do Senado dos EUA apoiou a expansão, numa rara demonstração de unidade bipartidária. Tanto senadores democratas quanto republicanos aprovaram a adesão dos dois países nórdicos, descrevendo-os como importantes aliados cujos militares já trabalharam em estreita colaboração com a NATO.

A votação foi um contraste acentuado com A retórica em Washington durante o governo do ex-presidente republicano Donald Trump, que perseguiu uma política externa “America First” e criticou aliados da NATO que não conseguiram atingir metas de gastos com defesa.

A Suécia e a Finlândia solicitaram a adesão à NATO em resposta à invasão russa em 24 de fevereiro da Ucrânia. Moscovo alertou repetidamente os dois países contra a adesão à aliança. Em julho, o vice-presidente do Conselho de Segurança russo, Dmitri Medvedev, garantiu que a Rússia daria uma resposta “simétrica” ao aumento da presença militar da NATO na Finlândia e na Suécia.

Medvedev defendeu ainda que “a decisão sobre a entrada da Finlândia e da Suécia na NATO não reforça a segurança da região. Pelo contrário, torna a situação mais difícil uma vez que se trata de garantir a segurança de todos”.

Os 30 aliados da NATO assinaram o protocolo de adesão para a Suécia e a Finlândia no mês passado, permitindo-lhes juntarem-se à aliança assim que todos os Estados-membros ratificarem a decisão.

A adesão deve ser ratificada por todos os 30 membros da Organização do Tratado do Atlântico Norte, de forma a que a Finlândia e a Suécia possam ser protegidas pelo artigo cincoº, a cláusula de defesa que diz que um ataque a um aliado é um ataque a todos.

A ratificação pode levar até um ano, embora a adesão já tenha sido aprovada por alguns países, incluindo Canadá, Alemanha e Itália.

Recomendadas

Guterres condena “veementemente” golpe de Estado no Burkina Faso

O secretário-geral da ONU, António Guterres, condenou este sábado “veementemente”, num comunicado, “qualquer tentativa de tomada do poder pela força das armas” no Burkina Faso, um dia após um novo golpe de Estado no país, o segundo em oito meses.

Manifestantes denunciaram repressão violenta sobre ativistas no Irão

Milhares de manifestantes em várias universidades iranianas e em vários países protestaram este sábado contra a repressão sobre movimentos de protesto pela morte de Mahsa Amini, a jovem acusada de violar o código de indumentária da República Islâmica.

Bolsonaro agradece apoio de líderes europeus de extrema-direita, entre eles André Ventura

O presidente Jair Bolsonaro, que pretende ser reeleito no domingo, agradeceu este sábado as mensagens de apoio que recebeu de líderes da extrema-direita da Europa, como o primeiro-ministro da Hungria, Viktor Orban, ou o líder do Chega, André Ventura.
Comentários