Biden reage a anúncio de recandidatura de Trump e diz que ex-líder falhou aos EUA

Numa breve mensagem na rede social Twitter, publicada a partir da ilha indonésia de Bali, onde Joe Biden se encontra a participar na cimeira do G20, o dirigente norte-americano disse que “Trump falhou aos EUA”.

O Presidente norte-americano, Joe Biden, disse hoje que Donald Trump “falhou aos Estados Unidos”, numa reação ao anúncio da recandidatura do seu antecessor.

Numa breve mensagem na rede social Twitter, publicada a partir da ilha indonésia de Bali, onde Joe Biden se encontra a participar na cimeira do G20, o dirigente norte-americano disse que “Trump falhou aos EUA”.

Por sua vez, o presidente do Comité Nacional Democrata, Jaime Harrison, disse em comunicado que Trump foi um fracasso enquanto Presidente e que, por isso, perdeu as eleições em 2020. “Vai perder de novo”, notou.

“Os democratas estão prontos para lembrar os americanos o que Trump trouxe para a América: o pior registo de empregos desde a Grande Depressão, mil milhões em impostos para os mais ricos e corporações”, acrescentou.

O ex-Presidente norte-americano Donald Trump anunciou na noite de terça-feira a terceira recandidatura à Casa Branca e prometeu “trazer a América de volta”.

“A fim de tornar a América grande e gloriosa novamente estou a anunciar esta noite a minha candidatura à Presidência dos Estados Unidos”, disse o bilionário ao ser aplaudido por uma multidão na sua mansão em Mar-a-Lago, na Florida.

“Nunca houve um movimento como este no mundo, que compita com o que nós conseguimos fazer. O regresso da América começa agora”, acrescentou.

Rodeado de bandeiras norte-americanas e faixas com o seu icónico ‘slogan’ de campanha ‘Make America Great Again’ [Tornar a América Grande de Novo, na tradução para português], o magnata recordou o primeiro mandato de forma idílica, descrevendo esse período como um país em paz, próspero e respeitado no cenário internacional, e exagerando na descrição das suas conquistas enquanto Presidente.

“Estou a concorrer porque acredito que o mundo ainda não viu a verdadeira glória que esta nação pode ter. Vamos novamente colocar a América em primeiro lugar”, disse.

Ao mesmo tempo que prometia “unidade”, Trump indicou que derrotará “os democratas radicais de esquerda que estão a tentar destruir o país por dentro”.

O republicano prometeu assim que o atual Presidente “não passará mais quatro anos” na Casa Branca: “Joe Biden personifica os fracassos da esquerda e a corrupção de Washington”, acusou o ex-Presidente.

Uma hora depois de ter iniciado o discurso e já perto do fim, o magnata pediu a eliminação de todas as votações antecipadas, votações à distância e o uso urnas eletrónicas: “Apenas cédulas de papel”, defendeu.

Trump também exigiu mais uma vez que todos os votos fossem contados na mesma noite da eleição, apesar de os Estados Unidos nunca terem contado todos os votos na noite do sufrágio numa eleição moderna, segundo o jornal The New York Times.

Momentos antes deste anúncio público, Trump já havia formalizado a terceira candidatura à Presidência, com um documento enviado à Comissão Eleitoral Federal norte-americana.

Donald Trump tornou-se assim o primeiro político a oficializar a candidatura às eleições presidenciais de 2024.

O anúncio de Trump acontece num momento em que crescem sinais de relutância dentro do Partido Republicano em ver Trump regressar a uma corrida presidencial, já que muitos candidatos que apoiou nas eleições intercalares saíram derrotados nas disputas com os democratas.

Recomendadas

PremiumProtestos na China “não têm dimensão de revolta política”

Os protestos face à política Covid zero na China chegaram a assumir alguma violência, mas os analistas não conseguem descobrir em Guangzhou qualquer sintoma da morte iminente do regime de Xi Jinping. ANATO manteve um olhar atento ao país asiático.

Joe Biden assina lei que evita greve ferroviária antes do Natal nos EUA

O Presidente dos EUA, Joe Biden, assinou hoje uma lei que impede a greve ferroviária em véspera de Natal, mas que vai contra as exigências de alguns sindicatos, ao deixar os trabalhadores sem dias de baixa por doença remunerados.

UE aprova proposta de limite de 60 dólares por barril de petróleo russo

Os países da União Europeia (UE) concordaram com um limite de preço de 60 dólares por barril para o petróleo russo, no âmbito das sanções para evitar picos de preços de combustíveis e para prejudicar os interesses de Moscovo.
Comentários