Bielorrússia junta-se à Rússia e iniciam exercícios militares. Kiev receia novas invasões

Estes não são os primeiros exercícios militares conjuntos dos dois países. País liderado por Lukashenko admite sentir-se provocado pela Ucrânia.

A Bielorrússia uniu-se à Rússia e os países estão agora a realizar exercícios militares em conjunto. A união destes dois países está a preocupar a capital ucraniana, que teme vir a ser novamente atacada, desta vez por dois países, revela a “Reuters”.

Os exercícios, nomeadamente de força aérea, vão acontecer até ao próximo dia 1 de fevereiro e os aliados vão utilizar todos os aeroportos militares da Bielorrússia.

O ministro da Defesa bielorrusso apontou que os exercícios vão envolver uma divisão militar mecanizada. No entanto, a Bielorrússia esclarece que estes são apenas exercícios de defesa e que não têm planos para entrar na guerra travada entre a Rússia e a Ucrânia.

De relembrar que a Rússia utilizou a Bielorrússia como trampolim no ano passado, de forma a invadir a Ucrânia e conquistar a região norte do país liderado por Volodymyr Zelensky.

O Secretário do Conselho de Segurança da Bielorrússia, Pavel Muraveyko, adiantou que a Ucrânia tem sido bastante “provocadora” em relação ao país vizinho. Muraveyko, sentindo o país ameaçado, assegura que estão prontos para qualquer ação de provocação.

Recomendadas

Alerta de ataque aéreo soa em Kiev no dia da Cimeira UE-Ucrânia (com áudio)

A presidente da Comissão Europeia e o Alto representante da União para os Negócios Estrangeiros e a Política de Segurança encontram-se em Kiev para a cimeira.

Presidente croata condena envio de armas ocidentais para a Ucrânia

Zoran Milanovic criticou as políticas ocidentais em relação à Rússia mas também a forma como a Europa está a atuar nos Balcãs. O presidente adverte que é a Europa e não os Estados Unidos que está a pagar a fatura da guerra.

Ucrânia. Presidente checo apoia entrada na NATO e ajuda militar “quase sem limites”

Petr Pavel disse que a ajuda militar à Ucrânia deve acontecer “quase sem limites”, mas tem dúvidas de que os caças F-16 possam chegar a tempo de ajudarem a defender o território ucraniano.
Comentários