Bielorrússia. Lukashenko não esperava que ofensiva na Ucrânia “se arrastasse desta maneira”

O presidente aliado de Putin acusou ainda Kiev de “provocar” Moscovo e de rejeitar as negociações de paz. Em relação aos exercícios militares perto da fronteira com a Ucrânia no início desta semana, Lukashenko disse que não representam uma ameaça.

Presidente da Bielorrússia, Alexander Lukashenko, e o presidente da Rússia, Vladimir Putin. O governo de Lukashenko tem o apoio declarado de Putin

O presidente da Bielorrússia, Alexander Lukashenko, disse que não esperava que a ofensiva da Rússia na Ucrânia “se arrastasse desta maneira”, acusando ainda Kiev de “provocar” Moscovo e de rejeitar as negociações de paz.

“Mas não estou imerso neste problema o suficiente para dizer se vai de acordo com o plano, como dizem os russos. Quero enfatizar mais uma vez, sinto que esta operação se arrastou”, disse Lukashenko à “The Associated Press”. O aliado de Putin disse que “categoricamente” não aceita “nenhuma guerra”.

“Fizemos e estamos a fazer tudo agora para que não haja guerra. Foi graças a mim que as negociações entre a Ucrânia e a Rússia começaram”. “Mas por que a Ucrânia, em cujo território uma guerra está em andamento… não está interessada nessas negociações?”, questionou.

Lukashenko disse ainda que seria “inaceitável” usar armas nucleares, mas acrescentou que não poderia dizer se a Rússia tem planos para isso e que é uma questão para se perguntar “à liderança russa”.

“O uso de armas nucleares não é apenas inaceitável porque está bem ao nosso lado – não estamos do outro lado do oceano como os Estados Unidos. Também é inaceitável porque pode derrubar a nossa bola terrestre para fora da órbita sabe-se lá para onde ”, afirmou.

A Bielorrússia é publicamente a favor da decisão de Putin invadir a Ucrânia e chegou a dizer ao presidente russo que a Ucrânia planeava atacar o país de Lukashenko. A intervenção russa terá impedido a ação, defende o chefe de Estado.

Em relação aos exercícios militares bielorrussos perto da fronteira com a Ucrânia no início desta semana, Lukashenko disse que não representam uma ameaça. “Nós não ameaçamos ninguém e não vamos ameaçar”, indicou, garantindo que “não é do interesse do Estado bielorrusso”.

Recomendadas

Ucrânia: Macron e Scholz pedem a Putin libertação de 2.500 militares de Azovstal

O presidente francês, Emmanuel Macron, e o chanceler alemão, Olaf Scholz, pediram este sábado ao presidente russo Vladimir Putin para libertar 2.500 combatentes ucranianos que estavam na fábrica de aço Azovstal, em Mariupol, e foram feitos prisioneiros pelos russos.

Europa devia olhar para África para reduzir dependência do gás russo

“A Europa na minha opinião devia olhar para áfrica. A África tem imenso gás”, disse o presidente do Banco Africano de Desenvolvimento.

Rússia testa míssil hipersónico que Putin considera “invencível”

O míssil Zircon foi disparado da fragata Almirante Gorshkov no Mar de Barents contra um alvo nas águas árticas do Mar Branco, segundo informações avançadas pelo Ministério da Defesa russo num comunicado citado pela agência de notícias France Presse (AFP).
Comentários