Portugueses gastaram mais na Black Friday e optaram pelo online

Os setores com maior crescimento em número de compras no dia da ‘Black Friday’ este ano face ao resto do mês de novembro foram o da perfumaria e cosmética (3,6 vezes), moda e acessórios (3,5 vezes), jogos e brinquedos (3,2 vezes), tecnologia (3,1 vezes) e material desportivo e recreativo (2,6 vezes).

Reuters / Bobby Yip

Os dados da empresa que gere a rede multibanco mostram que as compras ‘online’ no dia da ‘Black Friday’ este ano (29 de novembro) representaram 10,4% do total de compras, acima dos 8,6% registados na Black Friday de 2018.

A mesma fonte indica que o valor das compras na ‘Black Friday’ este ano foi 1,9 vezes superior ao valor médio do mês de novembro, que a hora com mais compras foi entre as 20h00 e as 21h00, tendo-se registado o segundo com mais compras pelas 20:24 e 41 segundos.

Os dados da SIBS também mostram que a hora da compra ‘um milhão’ na ‘Black Friday’ este ano foi mais cedo do que nos dois anos anteriores, pelas 11:27, depois de em 2018 ter sido pelas 12h09 e em 2017 ter-se registado quando eram 12h32.

O ‘top’ 5 dos setores com maior número de compras na ‘Black Friday’ foi liderado pelos supermercados e hipermercados (22,9% do total de compras), seguido pelos serviços de ‘catering’, restauração e similares (17,1%), moda e acessórios (13,2%), e em ‘ex aequo‘, com 4,9% das compras totais, cada um, os setores da cultura, entretenimento e equipamento e produtos petrolíferos e gasolineiras.

Os setores com maior crescimento em número de compras no dia da ‘Black Friday’ este ano face ao resto do mês de novembro foram o da perfumaria e cosmética (3,6 vezes), moda e acessórios (3,5 vezes), jogos e brinquedos (3,2 vezes), tecnologia (3,1 vezes) e material desportivo e recreativo (2,6 vezes).

Os distritos onde se verificou uma variação mais elevada do número de compras físicas na ‘Black Friday’ este ano face à média do mês de novembro foram Vila Real e Castelo Branco, e, nas regiões autónomas, as ilhas do Corvo, Flores, Angra do Heroísmo, Ponta Delgada e Funchal.

Este ano a ‘Black Friday’ ocorreu em 29 de novembro, a última sexta-feira do mês, quando em 2018 tinha sido em 23 de novembro e em 2017 em 24 de novembro.

A média do mês de novembro considerada na análise da SIBS não inclui o dia ‘Black Friday’ e a análise tem em consideração as compras efetuadas por cartões portugueses e estrangeiros, quer em lojas físicas quer online.

Relacionadas

Deco Proteste: violações da lei durante a Black Friday motivam queixa à ASAE

Desde preços em falta a promoções com preços acima do normal foram várias as irregularidades que levaram o portal da defesa do consumidor a pedir a intervenção da Autoridade de Segurança Alimentar e Económica.

Depois do consumismo intenso, o Giving Tuesday propõe solidariedade

Atualmente, o movimento conta com o apoio de alguns parceiros, onde se insere a REN, Infraestruturas de Portugal, Metropolitano de Lisboa e Bayer.

Cyber Monday: Hoje é dia de promoções exclusivas online

A Cyber Monday é a reação dos comerciantes cibernéticos à sexta feira “louca” de compras.

Comerciantes da Baixa de Lisboa esperam bom ano em vendas de Natal

Os comerciantes da Baixa de Lisboa esperam ter um bom ano em relação às vendas de Natal, considerando que as iluminações festivas são atrativas para chamar os consumidores à zona histórica da cidade, bem como outras atividades.
Recomendadas

Santana Lopes perspetiva ano económico “muito difícil” em 2023

Santana Lopes mencionou também o aumento “escandaloso” de quatro vezes a taxa base do custo da tarifa de tratamento dos resíduos sólidos urbanos a pagar à Empresa de Resíduos Sólidos Urbanos do Centro (ERSUC), cujo acionista base é privado.

Preços da energia em Itália vão subir ainda mais apesar de já estarem elevados

O Executivo de Roma já dedicou este ano 60 mil milhões de euros a medidas para procurar reduzir o impacto da subida destes preços.

Crise/inflação: Costa recusa razões para alarmismo sobre panorama dos créditos à habitação

António Costa procurou assegurar que o seu Governo está “atento” face ao impacto da subida dos juros nas prestações a pagar pelas famílias com créditos à habitação.
Comentários