Black Sheep. Restaurante de Hong Kong torna-se modelo mundial na luta contra a pandemia

“A resposta tem sido fenomenal, recebemos centenas de emails e mensagens através das redes sociais de restaurante que estão a usar o livro, em estabelecimentos que vão desde o Brasil até ao Japão”, assinalou Assim Hussain, cofundador da Black Sheep

As refeições

Quando o coronavírus começou a ganhar expressão, Hong Kong ainda estava a recuperar dos diversos meses de protestos que forçaram diversos estabelecimentos a manter as portas fechadas. Isto representou um problema para os restaurantes que tiveram novamente de encerrar, mas a cadeia de restaurantes Black Sheep focou-se em encontrar soluções.

“Reunimo-nos e perguntámo-nos: quais são as condições que precisamos ter para mantermos os nossos restaurantes abertos?”, questionou o cofundador da Black Sheep, Syed Assim Hussain. “Fechar os restaurantes significava o fim da empresa”, completou.

Assim, os responsáveis pela Black Sheep, uma cadeia constituída por 23 restaurantes e mil funcionários, escreveram um livro com diversas normas de segurança que passam por procedimentos de verificação de temperatura à lavagem das mãos a cada 30 minutos. Na lista de regras também está proibido o contacto físico e gestos como o aperto de mãos.

Pouco tempo depois da criação do manual, Hussain começou a receber pedidos de ajuda de outros restaurantes que pretendiam seguir o conjunto de regras da Black Sheep. Então, os responsáveis pela cadeia de restaurantes decidiram tornar as normas de segurança públicas. Até ao momento o manual já foi traduzido para quatro línguas diferentes.

“A resposta tem sido fenomenal, recebemos centenas de emails e mensagens através das redes sociais de restaurante que estão a usar o livro, em estabelecimentos que vão desde o Brasil até ao Japão”, assinalou Assim Hussain.

O sucesso foi tão grande que até o Governo de Hong Kong solicitou a ajuda da equipa da Black Sheep e atualmente todos os restaurantes de Hong Kong seguem metade das normas criadas pela empresa, que inclui o uso obrigatório de máscara.

 

 

Relacionadas

Covid-19: Vírus já matou 279.185 pessoas e infetou mais de quatro milhões no mundo

A pandemia já afetou mais de 195 países e territórios, mas os mais afetados na Europa são o Reino Unido, Itália, Espanha e França

Economia de Hong Kong regista um recuo recorde de 8,9% no primeiro trimestre

O desempenho da economia foi pior do que o registado no terceiro trimestre de 1998 (-8,3%), durante a crise financeira asiática, ou do que o do primeiro trimestre de 2009 (-7,8%), durante a crise financeira mundial.
Recomendadas

Pfizer regista um lucro anual em 2022 de 31,4 mil milhões de dólares

A farmacêutica registou aumentos nos lucros e nas receitas, mas espera que em 2023 haja uma quebra da faturação, devido à diminuição nas vendas de vacinas e medicamentos contra a Covid-19.

Reabertura “caótica” da China “difícil de digerir” para residentes em Shenzhen

O súbito fim da política de ‘zero casos’, sem anúncio antecipado ou preparação do sistema de saúde, deixou famílias a lutar pela sobrevivência dos membros mais idosos, à medida que uma vaga de infeções inundou os hospitais e crematórios do país.

Tribunal de Contas “atento” ao processo da Jornada Mundial da Juventude

O presidente do TdC precisou ser necessário deixar que o processo corra, acentuando que o Tribunal de Contas (TdC) “está atento [à JMJ] como está atento a outros processos que estão a correr” na sociedade.
Comentários