Blinken avisa Netanyahu sobre novos colonatos na Cisjordânia

O chefe da diplomacia norte-americana, Antony Blinken, avisou este domingo que os Estados Unidos se vão opor ao estabelecimento de novos colonatos na Cisjordânia ocupada pelo próximo governo israelita, quando Benjamin Netanyahu está prestes a voltar ao poder em Israel.

“Também continuaremos a opor-nos inequivocamente a qualquer ação que ponha em risco a solução de dois Estados, incluindo a expansão dos colonatos, as movimentações para anexar a Cisjordânia, a perturbação do ‘status quo’ histórico dos locais sagrados, as demolições e despejos, e o incitamento à violência”, afirmou o secretário de Estado, numa intervenção junto do grupo americano pró-Israel J Street.

O bloco de direita e os seus aliados ultra-ortodoxos e de extrema-direita obtiveram a maioria nas eleições parlamentares israelitas de 01 de novembro, com 64 lugares em 120, permitindo assim a Benjamin Netanyahu iniciar negociações para formar um governo.

Durante este processo, Netanyahu assinou um acordo de coligação com uma das três formações de extrema-direita, obtendo desta forma uma posição-chave na expansão do colonato na Cisjordânia, território palestiniano ocupado desde 1967 por Israel.

Mais de 475.000 israelitas vivem atualmente em colonatos na Cisjordânia – considerados uma violação do direito internacional — e são cerca de quatro vezes mais do que quando os Acordos de Oslo foram assinados nos anos 1990.

Recomendadas

Brasil gerou dois milhões de empregos no ano passado, menos do que em 2021

O Brasil, a maior economia da América Latina, gerou 2.037.982 empregos formais em 2022, 26,6% menos do que os criados em 2021, disse esta terça-feira o governo.

Turquia diz que é “atualmente impossível” a entrada da Suécia na NATO

O ministro dos Negócios Estrangeiros da Turquia referiu que neste momento o seu país não pode aceitar a adesão da Suécia à NATO. E não deu qualquer indicação de que Ancara tenha em vista voltar à mesa das negociações.

Tribunal espanhol determina que UEFA fica impedida de evitar Superliga

Competição que iria reunir algumas das melhores equipas do futebol europeu e mundial fica mais perto de se poder realizar. A UEFA terá feito uso da “posição de poder” para tentar impedir a realização da prova.
Comentários