Bloco de Esquerda apresenta lei de bases para uma alimentação saudável

Os bloquistas querem garantir a segurança alimentar e promover uma alimentação adequada e acessível a todos, sob o princípio de que a alimentação saudável é um direito humano.

O Bloco de Esquerda (BE) apresentou esta segunda-feira na Assembleia da República um projeto de lei em que propoõe a criação de uma lei de bases para uma alimentação saudável. Os bloquistas querem garantir a segurança alimentar e promover uma alimentação adequada e acessível a todos, sob o princípio de que a alimentação saudável é um direito humano.

A proposta foi apresentada no mesmo dia em que se assinalaram 70 anos da Declaração Universal dos Direitos Humanos. “A alimentação é um requisito básico para a existência humana. A segurança alimentar e nutricional está, em primeira instância, vinculada a uma conceção de Direitos Humanos”, defende o BE, no projeto de lei entregue no Parlamento.

A lei de bases propostas pelo BE visa uma revisão da legislação em vigor, de forma a “adequá-la aos novos desafios do setor da alimentação, a uma maior coordenação e alinhamento das políticas setoriais em vigor e a promover um sistema nacional para a promoção da segurança alimentar e nutricional”.

Os bloquistas consideram que cabe ao Estado “assegurar uma oferta estável de alimentos, em particular de alimentos saudáveis, a um preço justo e acessível, tendo em conta os rendimentos mínimos da população”. O deputado Carlos Matias, autor da propostas,  sublinha que a própria Constituição reconhece implicitamente o Direito Humano à Alimentação Adequada, pelo que o Governo deve tormar medidas nesse sentido.

Ao mesmo tempo, o partido defende que o Governo deve “definir os grupos de atenção prioritária e/ou vulneráveis em matéria alimentar e definir as medidas de proteção especial para a garantia do direito humano a uma alimentação adequada”. O projeto de lei insiste ainda na proibição de “qualquer discriminação direta ou indireta, por razão de excesso de peso, obesidade e/ou magreza, motivada pela má nutrição ou distúrbios alimentares, devendo as autoridades corrigir eventuais situações e contextos de desigualdade”.

“Face à transição alimentar em curso no país e aos problemas daqui decorrentes para a economia, desenvolvimento rural, ordenamento territorial, meio ambiente e a educação, torna-se fundamental aprovar uma Lei de Bases do Direito Humano à Alimentação Adequada”, lê-se na proposta.

Recomendadas

Marques Mendes: “Costa Silva recupera autoridade ou sai. O país precisa de um ministro da Economia forte”

“De um Governo com maioria absoluta, à partida um Governo forte, esperava-se unidade, coesão, determinação, energia, mobilização, espírito reformista. O que encontrámos? Exatamente o contrário”, disse este domingo o comentador da SIC.

Moçambique baixa receitas fiscais do gás ao fundo soberano para 40%

Moçambique deverá ser um dos maiores exportadores mundiais de gás a partir de 2024, beneficiando não só do aumento dos preços, no seguimento da invasão da Ucrânia pela Rússia, mas também pela transição energética.

PCP defende aumento do salário mínimo nacional para 850 euros em janeiro

O secretário-geral do PCP acusou o Governo de querer “retomar todos os caminhos da política de direita, fazer comprimir ainda mais os salários, facilitar a exploração, abrir espaço para os negócios privados na saúde e na educação, condicionando ou justificando as suas opções com as orientações e imposições da União Europeia e do euro”.
Comentários