Bloco de Esquerda: Galp distribuiu “milhões de euros aos seus acionistas e está a despedir trabalhadores”

Catarina Martins criticou também o Estado por deter 7,5% da Galp, mas não usar a sua posição na empresa para tentar impedir o encerramento das operações de refinação em Matosinhos. A Galp pagou 580 milhões de euros aos seus acionistas relativo ao exercício de 2019, ano em que lucrou 560 milhões de euros.

Cristina Bernardo

O Bloco de Esquerda deixou fortes críticas à Galp por avançar para o despedimento de trabalhadores na refinaria de Matosinhos, distrito do Porto, onde vai encerrar as suas operações de refinação em 2021.

“A Galp é um exemplo do que não deve acontecer. É uma empresa em que o Estado tem uma participação e não usa o seu direito de voto nas assembleias-gerais”, disse hoje a coordenadora do Bloco de Esquerda.

“É uma empresa que distribuiu milhões de euros aos seus acionistas, e está a despedir trabalhadores. Isto é o que não pode acontecer, é o pior da economia. O Estado a desresponsabilizar-se numa empresa onde pode ter uma palavra, e uma empresa que distribui milhões aos acionistas enquanto despede os trabalhadores”, afirmou Catarina Martins.

O Estado, através da Parpública, detém uma participação de 7,48% no capital da Galp. O maior acionista da empresa é a Amorim Energia, que detém 33,34% da empresa. Esta sociedade é controlada em 55% pela família Amorim, com 45% a serem detidos pela Sonangol, petrolífera estatal angolana.

“Se há alterações a fazer devido às alterações climáticas, isso far-se-á com reconversão dos setores e do emprego, nunca se fará com este tipo de despedimentos que só puxa a economia de Portugal para baixo”, segundo a líder bloquista.

A Galp pagou um dividendo de 70 cêntimos por ação relativo ao exercício de 2019, num pagamento total de 580 milhões de euros aos seus acionistas, num ano em que a empresa lucrou 560 milhões de euros.

A Galp anunciou hoje que vai encerrar a refinaria de Matosinhos, distrito do Porto e que vai passar a concentrar as suas operações em Sines, distrito de Setúbal.

“Após uma rigorosa avaliação de alternativas, a Galp irá concentrar as suas atividades de refinação e desenvolvimentos futuros no complexo de Sines e descontinuar as operações de refinação em Matosinhos a partir de 2021”, segundo o comunicado da empresa liderada por Carlos Gomes da Silva, garantindo que o “aprovisionamento e a distribuição de combustíveis no país não serão impactados por esta decisão”.

“A Galp continuará a abastecer o mercado regional mantendo a operação das principais instalações de importação, armazenamento e expedição de produtos existentes em Matosinhos, encontrando-se a desenvolver as soluções adequadas para a necessária redução da força laboral e a avaliar alternativas de utilização para o complexo”, de acordo com a petrolífera, que não revela a quantidade de postos de trabalho que vão ser afetados.

Por sua vez, o Governo veio hoje a público revelar as suas “preocupações” em relação ao “destino dos trabalhadores” da refinaria de Matosinhos que a Galp prepara-se para encerrar em 2021.

“O Ministério do Ambiente e da Ação Climática manifesta desde já a disponibilidade para, em nome do Governo, reunir com a Galp e com as estruturas representativas dos trabalhadores, exigindo da empresa todo o empenho e sensibilidade social para procurar soluções para o futuro próximo”, pode-se ler no comunicado divulgado pela tutela esta segunda-feira de manhã.

Galp deixa de usar Matosinhos como refinaria em 2021. Operação vai ser concentrada em Sines

Relacionadas

Refinaria de Matosinhos. Governo quer reunir-se com a Galp e trabalhadores para “procurar soluções”

O ministério do Ambiente diz que 200 milhões do Fundo para a Transição Justa vão servir “proteger os trabalhadores afetados e financiar novos negócios que apoiarão a transição para uma economia neutra em carbono, como os associados à energia renovável, à eficiência energética e à economia circular”.

Galp deixa de usar Matosinhos como refinaria em 2021. Operação vai ser concentrada em Sines

A decisão foi hoje anunciada pela petrolífera portuguesa que avança que Matosinhos vai continuar a ser usada somente para a importação, armazenamento e expedição de produtos e que está a “desenvolver as soluções adequadas para a necessária redução da força laboral e a avaliar alternativas de utilização para o complexo”.
Recomendadas

Venezuela prepara acordos com petrolífera Chevron após alívio de sanções

A Venezuela anunciou hoje que vai assinar, nas próximas horas, acordos com a petrolífera norte-americana Chevron para impulsionar o desenvolvimento local de empresas mistas (capital público e privado) e a produção de petróleo.

“Via Verde rejeita categoricamente qualquer acusação de burla” que circule no Portal da Queixa

“Sempre que um cliente passa numa portagem e a transação falha, a Via Verde comunica diretamente com o cliente a dar conta de um eventual problema”, justifica. “Este alerta visa sempre proteger os clientes. Se o problema for confirmado, o cliente pode subscrever um plano Via Verde ou, se assim preferir, comprar um identificador novo”, esclarece fonte oficial da empresa ao JE.

ORES Portugal compra três hipermercados por 26,2 milhões que alugará ao Continente

Os três ativos imobiliários são objeto de contratos de arrendamento de longa duração com o Continente, do grupo Sonae, segundo um comunicado da SIGI do Bankinter e da Sonae Sierra.
Comentários