Bloco de partos do Hospital de Portimão reabriu esta manhã com funcionamento normal

O serviço da unidade hospitalar de Portimão encerrou na quinta-feira, tendo as grávidas a partir das 22 semanas de gestação ou que necessitassem de cuidados especiais sido encaminhadas para o Hospital de Faro. O bloco esteve encerrado devido à dificuldade em assegurar a escala de Pediatria, motivada pela falta de médicos pediatras.

O bloco de partos do Hospital de Portimão retomou às 09:00 de hoje o funcionamento normal, depois de ter estado encerrado desde as 09:00 de quinta-feira, disse à Lusa fonte do centro hospitalar do Algarve.

De acordo com o gabinete de comunicação do Centro Hospitalar Universitário do Algarve (CHUA), “o bloco de partos do Hospital de Portimão reabriu hoje às 09:00 e está a funcionar normalmente, sem constrangimentos”.

Aquele serviço da unidade hospitalar de Portimão encerrou às 09:00 de quinta-feira, tendo as grávidas a partir das 22 semanas de gestação ou que necessitassem de cuidados especiais sido encaminhadas para o Hospital de Faro.

O bloco de partos esteve encerrado devido à dificuldade em assegurar a escala de Pediatria, motivada pela falta de médicos pediatras.

As urgências de Ginecologia e de Obstetrícia não foram afetadas e funcionaram normalmente nas unidades de Portimão e de Faro para grávidas até às 22 semanas de gestação.

Na quinta-feira, a administração do centro hospitalar, que integra os hospitais públicos de Faro, Portimão e Lagos, no distrito de Faro, indicou em comunicado que, devido ao encerramento, foi reorganizada uma resposta assistencial coordenada entre as unidades de Portimão e de Faro.

A Urgência de Pediatria ficou assegurada na região, com médicos pediatras na unidade de Faro e clínicos gerais “com vasta experiência em Pediatria na unidade de Portimão”, notou.

A medida, avançou a administração do CHUA, insere-se no nível 2 do Plano de Contingência, que “prevê esta reorganização, assegurando uma resposta assistencial coordenada” entre as duas unidades hospitalares no distrito de Faro, “garantindo, assim, a segurança dos serviços prestados a nível regional”.

“Há um plano feito para ser colocado em prática sempre que houver necessidade”, disse na altura à Lusa a presidente do conselho de administração do CHUA, Ana Varges Gomes.

Nos últimos dois meses, serviços de urgência de diversas especialidades e blocos de partos de vários hospitais do país tiveram de encerrar por determinados períodos ou funcionaram com limitações, devido à dificuldade em completarem as escalas de serviço de médicos especialistas.

Recomendadas

PR diz que, em regra, lei não permite uso de escusas de responsabilidade

O Presidente da República defende que, em regra, a lei não permite o uso das escusas de responsabilidade e que, em política, quando se tem razão, é muito importante saber explicar aos portugueses a razão que se tem.

Madeira: IASAÚDE reembolsou mais de 1,5 milhões de euros aos utentes no primeiro semestre do ano

Foram as despesas de saúde relacionadas com exames de radiologia as mais reembolsadas, representando 23% do valor total, enquanto as consultas médicas e a medicina dentária englobaram 17,1% e 16,8% dos reembolsos, respetivamente. 

Vírus transportado por musaranhos deixa doentes dezenas de pessoas na China

Não são conhecidas provas de que possa existir transmissão entre seres humanos, até porque, tanto quanto se sabe, os pacientes não tiveram contacto próximo, segundo revelaram os investigadores.
Comentários