Bloco dos 27 decidem avançar com sanções à Turquia a decidir na presidência portuguesa

Após um longo debate que entrou pela madrugada, o Conselho Europeu convida o Conselho da UE a ampliar as (poucas) “medidas restritivas” em curso dirigidas às atividades ilegais de exploração de gás pela Turquia em águas do Mediterrâneo oriental, e mandata o Alto Representante para a Política Externa, Josep Borrell, a elaborar um relatório sobre “a evolução da situação”.

Os líderes europeus, reunidos em Bruxelas, acordaram esta madrugada avançar com sanções contra a Turquia devido às suas ações “unilaterais e provocadoras” no Mediterrâneo oriental contra Grécia e Chipre, que deverão ser decididas durante a presidência portuguesa da UE.

Após um longo debate que entrou pela madrugada, o Conselho Europeu convida o Conselho da UE a ampliar as (poucas) “medidas restritivas” em curso dirigidas às atividades ilegais de exploração de gás pela Turquia em águas do Mediterrâneo oriental, e mandata o Alto Representante para a Política Externa, Josep Borrell, a elaborar um relatório sobre “a evolução da situação” e que contemple um eventual reforço do quadro de sanções, “a ser apreciado o mais tardar no Conselho Europeu de março de 2021”.

Fontes diplomáticas explicaram que o Conselho da UE, ao nível de ministros dos Negócios Estrangeiros, é convidado a propor, “nas próximas semanas”, novos indivíduos e empresas a acrescentar à curta lista de sancionados atualmente em vigor, podendo então as sanções ser reforçadas dentro de alguns meses se a Turquia mantiver a sua postura, num processo de gradual endurecimento das medidas punitivas.

A discussão hoje entre os chefes de Estado e de Governo da UE foi, como já se previa, complexa, já que há diferenças entre os 27 sobre o grau de dureza na resposta a Ancara em defesa de dois dos seus Estados-membros, Grécia e Chipre, que há muito reclamam um “pulso forte” e solidariedade dos seus parceiros.

O processo ‘entrará’ assim na agenda da presidência portuguesa do Conselho da UE, que começa dentro de três semanas, em 01 de janeiro de 2021.

Recomendadas

China diz que EUA estão a enviar “sinais perigosos” sobre Taiwan

O ministro dos Negócios Estrangeiros chinês deixou claro que uma escalada das atividades independentistas torna difícil um acordo pacífico, no que diz respeito a Taiwan,

Ucrânia. PM de Moçambique diz que “interesses do país” levaram a abster-se de condenar Rússia

“Não estamos a tomar posição nem de um lado, nem do outro. Estamos a tomar aquilo que a nossa Constituição nos diz para fazer e que é bom para o país e para os interesses de Moçambique”, salientou o primeiro-ministro moçambicano.

Lavrov acusa os EUA de “brincarem com o fogo” em Taiwan

Sergei Lavrov diz que os EUA estão a tentar fazer do mundo “o seu quintal” através da aplicação de sanções e acusa-os de “brincarem com o fogo” em Taiwan.
Comentários