Bloom permite investir em bolsa a partir dos 13 anos 

Destinada a adolescentes, a app da Bloom permite abrir uma conta de investimentos em poucos minutos, associando os pais ou um tutor à conta.

Fundada em 2020, por Allan Maman, Sonny Mo e Sam Yang, a startup Bloom nasceu com a missão de educar os mais jovens sobre o mundo financeiro e de permitir que invistam desde cedo. 

Destinada a adolescentes, entre os 13 e os 17 anos, a aplicação permite abrir uma conta de investimentos em poucos minutos, associando os pais ou um tutor à conta. 

Através da Bloom é possível investir em ações de empresas cotadas em bolsa nos EUA e também em ETF e criptomoedas. 

Os depósitos e os levantamentos de dinheiro são feitos pelo tutor da conta, que tem também a possibilidade de definir limitações. Por exemplo, a opção de aprovar ou reprovar investimentos e a opção de restringir o tipo de investimento. 

Tendo o lado educativo como grande ponto de diferenciação, a Bloom dá acesso a mais de 100 aulas, abrangendo temas como “o que é uma ação” e estratégias de investimento. Ao completar as aulas, é possível ganhar prémios como ações e criptomoedas. 

A subscrição da Bloom tem o preço de 15 dólares por mês. 

Desde que foi fundada em 2020, a startup já captou 3.3 milhões de dólares e tem como principal investidor a Y Combinator.

Artigo original publicado em SuperToast by INSTINCT.
Também disponível em Newsletter e Podcast.

Recomendadas

PremiumContrato que prevê bónus milionário da CEO da TAP não é válido

JE revela contrato de Christine Ourmières-Widener: prevê exercício de funções até 2026 e bónus de até três milhões de euros. Mas não chegou a ser ratificado em AG da TAP.

PremiumLeia aqui o Jornal Económico desta semana

Esta sexta-feira está nas bancas de todo o país a edição semanal do Jornal Económico. Leia tudo na plataforma JE Leitor. Aproveite as nossas ofertas para assinar o JE e apoie o jornalismo independente.

Contrato da CEO da TAP: “Não é só falta de retificação, é falta de aprovação”

O advogado Rogério Alves reagiu à notícia avançada pelo Jornal Económico. O contrato de Christine Ourmières-Widener com a TAP não só não foi retificado em AG como não foi aprovado. “Isto politicamente tem um custo”, diz.
Comentários