Bloqueador de anúncios da Google arranca a 15 de fevereiro

O bloqueador será ativado por defeito e vai impedir a visualização no computador ou no telemóvel de vídeos que reproduzam imagem e som de forma automática e janelas de pop-up, entre outros.

Neil Hall/Reuters

A Google ativará no próximo dia 15 de fevereiro o bloqueador de anúncios do navegador Chrome, o que vai impedir a visualização, tanto no computador como o telemóvel, de publicidade mais agressiva, anunciou esta quarta-feira a norte-americana.

O bloqueador será ativado por defeito. Mas, segundo a Google, só serão bloqueados aqueles anúncios que reproduzam de forma automática imagens e som, publicidade que ultrapasse uma duração aceitável para o usuário e janelas de pop-up.

O gigante da Internet, cuja principal fonte de receita é a publicidade, posicionou-se em várias ocasiões contra bloqueadores de anúncios, como o Adblock, mas opõe-se à publicidade agressiva que dificulta a experiência do utilizador.

A norte-americana segue os critérios estabelecidos pela The Coalition for Better Ads, associação norte-americana liderada pela própria Google, na qual participam marcas e empresas de media.

Recomendadas

Governo enaltece sucesso de empresas portuguesas de construção no mercado dos EUA

Em declarações à Lusa no Seminário Anual da Rede de Empreendedores da Construção (CENSE, na sigla em inglês), na cidade norte-americana de Newark, o secretário de Estado da Internacionalização saudou a presença de dezenas de empresas luso-americanas no evento, realçando que muitas viajaram de propósito de Portugal para ali explorarem oportunidades de negócio.

Alemanha reitera apoio a gasoduto nos Pirinéus e diz que França não excluiu projeto

O chanceler alemão destacou que este projeto tem uma perspetiva de longo prazo e que, para além do transporte de gás no imediato, servirá para fornecer outras energias, como hidrogénio, no futuro.

“Nova atitude da TAP perante os gastos terá de abranger também os pilotos”, desafia SPAC

Sindicato dos Pilotos diz que “enquanto uns têm cortes brutais no seus vencimentos” e ainda há “processos de despedimento em curso”, renova-se o parque automóvel dos cargos de direção “com 79 viaturas”.
Comentários