BMW 640D Coupé edição M: Estamos numa aeronave? Não! A aceleração diz que sim!

O cockpit faz lembrar um avião, mas não é! Estamos perante o radical 640D Coupé, com o pack desportivo M e cuja aceleração diz tudo. A experiência foi feita numa viagem de mais de 200 Km em autoestrada e o regresso um pouco mais longo em estradas nacionais. A experiência não podia ser mais contagiante […]


Notice: Undefined offset: 1 in /var/www/vhosts/jornaleconomico.pt/httpdocs/wp-includes/media.php on line 1031

Notice: Undefined offset: 2 in /var/www/vhosts/jornaleconomico.pt/httpdocs/wp-includes/media.php on line 1031

Notice: Undefined offset: 1 in /var/www/vhosts/jornaleconomico.pt/httpdocs/wp-includes/media.php on line 1031

Notice: Undefined offset: 2 in /var/www/vhosts/jornaleconomico.pt/httpdocs/wp-includes/media.php on line 1031

O cockpit faz lembrar um avião, mas não é! Estamos perante o radical 640D Coupé, com o pack desportivo M e cuja aceleração diz tudo.

A experiência foi feita numa viagem de mais de 200 Km em autoestrada e o regresso um pouco mais longo em estradas nacionais. A experiência não podia ser mais contagiante ao volante do BMW 640D Coupé, com o pack desportivo M.

A tecnologia TwinPower Turbo, o sistema de injeção direta Common Rail e o turbo compressor TwinScroll fazem com que o estômago se cole às costas nos poucos seguntos em que abusámos da velocidade. Por um instante chegámos à velocidade máxima e em muitos poucos segundos. A aceleração dos 0 aos 100 km/h é feita em menos de 6 segundos e os consumos em velocidade acelerada não são para brincadeiras e andam pelos 12 litros. Claro que o feliz proprietário desta máquina, que mais parece um pequeno jato, não pode estar preocupado com os consumos. Adiante. A velocidades modestas o consumo também cai para os 8 l/100 Km, algo bem mais razoável.

Vamos ao relevante. O interior está perfeitamente adaptado a um condutor exigente, com espírito desportivo, ou não. O cockpit é dele e o passageiro do lado disfruta da mesma ergonomia e do acesso fácil a todos os comandos. Os assentos têm regulação elétrica, com marcação de posição para dois utilizadores. Diferente é para viajar na traseira. O construtor quis fazer um modelo de quatro mais um lugares, mas quem viaja no banco traseiro terão de ser passegiros esguios, sobretudo se a posição do condutor e do pendura for muito reclinada.

Por outro lado, o motor de seis cilindros em linha e que debita uma potência de 313 cv, não é confortável, é antes uma resposta à necessidade de grande aceleração dentro de um modelo de condução em segurança. Aliás, o controlo dinâmico do amortecimento reduz as oscilações da carroçaria. A transmissão automática de oito velocidades Steptronic é silenciosa e reativa, e a utilização das patilhas do volante nem sequer é necessária, potenciando as acelerações em situações críticas, assim como a aderência em momentos complicados de estrada. Curioso que neste veículo as rodas dianteiras viram em sentido contrário aos das rodas traseiras numa velocidade baixa. Os sistemas de segurança ativos estão presentes, caso da monitorização de saídas de estrada.

OJE

Recomendadas

Conferência “Poupar e Investir para um Futuro Melhor” a decorrer em Lisboa, com o apoio do Jornal Económico

A conferência é organizada pela Optimize Investment Partners, sociedade gestora portuguesa que disponibiliza uma gama de soluções de investimento para diversos perfis de risco e objetivos. Moderada por Nuno Vinha, subdiretor do Jornal Económico, consiste numa palestra de 30 minutos de cada um dos quatro oradores, um coffee break e uma mesa redonda com espaço para perguntas e respostas e interação com a plateia.

SIBS: mais de um quinto do valor gasto na Black Friday foi em compras online

O comércio online continua a ganhar peso nas compras em Portugal. Dados da SIBS revelam que 22% do valor gasto na última Black Friday foi em compras online, um peso que bate por muito os 18% do ano passado.

União Europeia, G7 e Austrália limitam barril de petróleo russo a 60 dólares

Os 27 estados-membros da UE chegaram a acordo, esta sexta-feira, no estabelecimento de um teto máximo para o preço do petróleo russo nos 60 dólares por barril. Os sete países mais industrializados do mundo (G7) e a Austrália juntam-se na decisão.