BNA levanta suspensão da participação no mercado cambial imposta ao Finibanco Angola

O Finibanco Angola tinha sido suspenso de participar no mercado cambial, por um período de 45 dias, pelo Banco Nacional de Angola (BNA), depois de o supervisor bancário angolano detectar incumprimentos durante uma inspecção pontual, em meados de agosto.

O Banco Nacional de Angola comunicou hoje o levantamento da suspensão da participação no mercado cambial que tinha imposto ao Finibanco Angola, detido em 51% pelo Banco Montepio “uma vez que foram cumpridas na generalidade, as orientações do Banco Nacional de Angola, relativas às políticas e aos procedimentos de verificação e controlo das operações cambiais”, revela o banco central.

O Finibanco Angola tinha sido suspenso de participar no mercado cambial, por um período de 45 dias, pelo Banco Nacional de Angola (BNA), depois de o supervisor bancário angolano detectar incumprimentos durante uma inspecção pontual, em meados de agosto.

Segundo notícias recentes do “Eco”, o banco Montepio estava a negociar com um potencial candidato a comprador do Finibanco Angola, depois de falhado o negócio com Mário Palhares do BNI. O banco da Associação Mutualista Montepio Geral (AMMG) teria chegado a acordo para vender o Finibanco Angola a um banco nigeriano, o Access Bank.

O BNA revogou também a licença do Banco Prestígio, que assim deixa de poder operar e decidiu impor medidas de recapitalização ao BCI – Banco de Comércio e Indústria que depois de privatizado passou a pertencer ao maior grupo de retalho alimentar de Angola, o Grupo Carrinho, maior grupo angolano da distribuição alimentar e que controla igualmente o Banco Keve.

O BNA decidiu “a aplicação de medidas de intervenção correctiva ao Banco de Comércio e Indústria por insuficiência de fundos próprios regulamentares e rácio de fundos próprios abaixo do mínimo regulamentar, de que resulta a obrigação de apresentar ao Banco Nacional de Angola, em 30 dias, um plano de recapitalização e reestruturação”.

Isto é, o banco do Grupo Carrinho tem um mês para apresentar ao supervisor um plano para recapitalizar o banco.

O BNA descreve também em comunicado que “no âmbito das suas atribuições, na qualidade de Autoridade Macroprudencial (…) e com vista à manutenção da estabilidade do sistema financeiro, deliberou, a 30 de Setembro de 2022 a revogação da licença do Banco Prestígio com fundamento na reiterada violação de requisitos prudenciais, nomeadamente, manutenção dos fundos próprios regulamentares e rácios de fundos próprios abaixo do mínimo legal, ineficácia na implementação das medidas de intervenção correctiva determinadas pelo Banco Nacional de Angola, a indisponibilidade acionista e a inexistência de soluções credíveis para a recapitalização do banco”.

Isto é, os acionistas não se mostraram disponíveis a recapitalizar o Banco Prestígio e portanto o regulador retira-lhe a licença bancária,

Este banco tinha na sua estrutura acionistas filhos de José Eduardo dos Santos, histórico ex-presidente de Angola.

O Banco Prestígio tinha como maior acionista Tito Zuzarte de Mendonça com 57,03 %. Depois na lista de acionistas, segundo dados de abril deste ano, surge Welwitchea José dos Santos (21,69 %) e José Eduardo Paulino dos Santos (9,58 %), filhos do antigo Presidente da República.

“Mais se informa que, com a decisão de revogação da licença do Banco Prestígio ficam salvaguardados os interesses dos depositantes, no âmbito do sistema de garantia de depósitos”, garante o BNA.

Recomendadas

BPI distribui presentes de Natal a crianças no país

A edição de 2022 deverá mobilizar milhares de pessoas – entre trabalhadores sociais, voluntários, colaboradores e clientes do banco – para realizar os desejos de crianças apoiadas por instituições sociais que lutam contra a pobreza infantil em todo o país.

Luís Laginha de Sousa quer reafirmar caminho que tem sido feito pela CMVM

As linhas de atuação da nova administração do regulador de mercados, cuja cerimónia de tomada de posse decorreu esta segunda-feira no Ministério das Finanças, não significam “qualquer rutura com o caminho” seguido até agora, garante o novo presidente da CMVM que quer reforçar a articulação entre os supervisores.

Empréstimos à habitação continuam a abrandar, segundo Banco de Portugal

No final de outubro, o montante total de empréstimos para habitação era de 100,1 mil milhões. Outros dados do Banco de Portugal dão conta que o stock de empréstimos às empresas registou um valor de 76,2 mil milhões de euros, diminuindo 480 milhões de euros em relação ao mês anterior e registando uma taxa de variação anual de 1,1% (1,4% no mês anterior).
Comentários