Boliqueime. Socialistas querem promover aldeia onde nasceu Cavaco Silva a vila (com áudio)

Projeto de lei do PS coloca ex-primeiro-ministro do PSD entre “os mais ilustres boliqueimenses”. A proposta para elevar a povoação de Boliqueime à categoria de vila já foi entregue no Parlamento.

O Partido Socialista apresentou um projeto de lei, na Assembleia da República, para elevar a povoação de Boliqueime à categoria de vila.

A proposta destaca que a aldeia do concelho de Loulé “prima pela boa hospitalidade das suas gentes” e está ligada a atividades como “a agroindústria da alfarroba, o comércio de frutos secos e a produção e comércio de citrinos, sector de atividade que tem conhecido uma franca expansão com a instalação de diversas empresas”.

Os socialistas lembram que Cavaco Silva nasceu em Boliqueime. “Inúmeras personalidades com relevância na vida pública portuguesa estão ligadas a Boliqueime”, refere a proposta, que coloca o ex-primeiro-ministro do PSD entre “os mais ilustres boliqueimenses”. A seguir, surgem nomes como Lídia Jorge, escritora e conselheira de Estado, ou Guilherme d´Oliveira Martins, ex-ministro das Finanças.

A iniciativa do PS foi apresentada em conjunto com mais duas que visam elevar Almancil, no concelho de Loulé, à categoria de cidade e Barcouço, na Mealhada, a vila.

Recomendadas

Bónus ilegal à CEO da TAP. PSD diz que “tem que haver consequências políticas”

“Temos que apurar realmente o que aconteceu e está a acontecer na TAP. Quando falamos na gestão da TAP é preciso perceber onde estava o acionista Estado? Como foi possível atirar 3,2 mil milhões de euros para a TAP?”, questionou-se o deputado social-democrata.

André Ventura reage ao bónus da CEO da TAP: “Parece evidente que é ilegal”

“É mesmo uma questão de legalidade e de invalidade. Se num elemento tão importante como este, a administração e o Estado preferiram não a divulgar, é porque a queriam manter secreta e isto só por si é muito grave”. Líder do Chega reagiu esta sexta-feira à manchete do Jornal Económico que revela que o bónus previsto para a CEO da TAP é ilegal.

“Bónus à CEO da TAP é potencialmente ilegal”, acusa Mariana Mortágua

O Jornal Económico revela, na edição desta sexta-feira, o contrato de Christine Ourmières-Widener: prevê exercício de funções até 2026 e bónus de até três milhões de euros. Mas não chegou a ser ratificado em AG da TAP. O que significa que o contrato será inválido e o pagamento do bónus não será devido.
Comentários