Bolsa abre no ‘verde’ com Altri a liderar ganhos

O petróleo está a negociar em terreno misto com o brent a subir 0,07% para os 99,67 dólares e o crude quebra 0,06% para os 94,28 dólares.

A bolsa de Lisboa abre no ‘verde’, com uma subida de 0,19%, para os 6,251.30 pontos.

A maior subida vai para a Altri, que valoriza 0,98%, para os 5,69 euros, seguida pela Galp Energia que sobe 0,60% para os 10,95 euros, e a Navigator que cresce 0,64% para os 4,11 euros.

No ‘vermelho’ estão cotadas como o Banco Comercial Português (BCP), que quebra 0,83% para os 0,1554 euros, a EDP Renováveis, que desce 0,27% para os 25,94 euros, e a NOS SGPS SA que desvaloriza 0,16% para os 3,74 euros.

As principais bolsas europeias abrem no ‘verde’ com o DAX (Alemanha) a subir 0,20%, o FTSE 100 (Reino Unido) a crescer 0,22%, o CAC 40 (França) valoriza 0,22%, e o IBEX 35 (Espanha) a subir 0,08%.

A research da BA&N salienta que o “abrandamento das pressões inflacionistas” estão a contribuir para “um maior
apetite pelo risco e redução das expectativas” de agravamento de juros por parte dos bancos centrais.

“A seca, temperaturas mais elevadas do que o normal, incêndios e os rios com níveis reduzidos de água estão a agravar a crise energética no continente europeu”, alerta a BA&N.

O petróleo está a negociar em terreno misto com o brent a subir 0,07% para os 99,67 dólares e o crude quebra 0,06% para os 94,28 dólares.

O euro está a desvalorizar face ao dólar com uma descida de 0,06% para os 1,03148 euros.

Atualizado às 09h03

Recomendadas

Fed, BCE, reviravolta no Reino Unido, eleições no Brasil e saída do CEO da Galp. Veja o “Mercados em Ação”

A decisão da Fed e a próxima reunião do BCE. A queda da libra e as eleições no Brasil, mais a saída de Andy Brown da Galp. André Cabrita-Mendes, subdiretor do JE, e Marco Silva, consultor de estratégia e investimento, analisam estes temas em conjunto com Nuno Sousa Pereira da Sixty Degrees.

Reino Unido. Mercados valorizam depois de Governo recuar no corte fiscal

O índice FTSE 100 segue a valorizar mais de 1,5%.

Portugal quer sair do grupo de países mais endividados da UE em 2024

Secretário de Estado do Tesouro assume ambição e revela que país vai pagar este ano a dívida extra que contraiu durante a pandemia.
Comentários