Bolsa de Lisboa abre no ‘verde’. BCP ganha mais de 2%

No mercado cambial, o euro valoriza 0,76% face ao dólar norte-americano para os 1,0395 dólares.

A bolsa de Lisboa abriu a sessão desta terça-feira em terreno positivo ao subir 0,05% para os 5.779,52 pontos.

A liderar os ganhos está o BCP, que avança 2,18% para os 0,1545 euros. A EDP valoriza 0,54% para os 4,44 euros.

A Galp é quem mais perde (-0,62% para os 11,29 euros). A Jerónimo Martins também desvaloriza 0,10% para os 20,56 euros.

A Corticeira Amorim mantém-se inalterada nos 8,85 euros.

As principais bolsas europeias negoceiam em terreno misto. O espanhol IBEX perde 0,02%, enquanto o alemão DAX aprecia 0,43%, o britânico FTSE ganha 0,04%, e o francês CAC valoriza 0,45%.

O membro conselheiro Francois Villeroy considera que depois do banco central elevar as taxas de juro para os 2% em dezembro “irá haver mais aumentos, mas serão executados de uma forma mais flexível e de uma maneira mais lenta”, destaca a newsletter do BiG.

Lá fora, foco para a reunião presencial entre o presidente dos Estados Unidos, Joe Biden, com Xi Jinping na segunda-feira. “O resultado da conversa de três horas foi positivo, com Biden a declarar que os dois países iam voltar a cooperar em assuntos como o clima e segurança de alimentos”, conclui a nota do banco.

No mercado do petróleo, em Nova Iorque, o WTI está a subir 0,82% para os 85,17 dólares, e o Brent recua 0,53% para os 92,67 dólares em Londres.

No mercado cambial, o euro valoriza 0,76% face ao dólar norte-americano para os 1,0395 dólares.

Recomendadas

Energia dá impulso à Bolsa de Lisboa. Europa fecha no verde em dia marcado pela inflação

O mercado esperava que a inflação do IPC na zona do euro desacelerasse de 10,6% em Outubro para 10,4% em Novembro (variação anual). A leitura real mostrou uma desaceleração para 10,0% num ano. Os juros soberanos sobem. As ações também.

CMVM avança com cinco processos de contraordenação contra auditoras e CGD

O regulador aplicou quatro processos por violação de deveres de atuação dos auditores e outro à Caixa Geral de Depósitos por violação de deveres dos intermediários financeiros. Foi aplicada uma coima de 25 mil euros ao banco, suspensa integralmente por dois anos.
Comentários